COMPARTILHE
Foto: Léo Lemos; Divulgação Náutico

Um time a beira do rebaixamento e um treinador no seu limite. Assim podemos definir o Náutico, na reta final da Série B. Na última sexta-feira, o Timbu foi até o Serra Dourada e acabou derrotado pelo Goiás, fato que deixou a equipe ainda mais atolada na zona de rebaixamento do torneio.

Leia Mais: Goleiro do Santa Cruz admite dificuldade na luta contra a queda
Vitória abre venda de ingressos para duelo decisivo contra o Sport

Incomodado com as criticas da torcida, o técnico Roberto Fernandes chutou o balde e revelou que está no limite do seu trabalho. Além disso, o comandante saiu em defesa dos jogadores, que na visão dele estão se esforçando ao máximo.

“Estou no meu limite. Quem acha que pode fazer melhor, é só chegar. Eu estou tentando extrair o melhor. Não adianta ficar em rede social, através de um celular, pedindo para eu ficar colocando fulano. Vem aqui ver. Estou no máximo, com jogadores comprometidos, mas se formos enumerar o números de problemas, são muito grandes. O Náutico é uma coleção de problemas que estamos tentando equacionar”, desabafou.

Por fim, Fernandes também relembrou o primeiro turno do Timbu, onde a equipe não conseguiu somar pontos fundamentais em casa e paga por isso na reta final da competição.

“É muito complicado. O primeiro turno que o Náutico fez é absolutamente pífio e pagamos por isso no segundo turno. A equipe só veio ganhar a primeira em casa no nono jogo, já sob o meu comando. Isso não existe”, declarou.

Diante do cenário caótico, o Náutico volta a campo no próximo sábado, quando encara o Guarani, na Arena Pernambuco.