Foto: gens/telam/dsl

*Por Mônica Alvernaz

Os anos passos e as polêmicas seguem acompanhando a trajetória de Ricardo Centurión. Desde o início de fevereiro, quando brigou com o técnico Eduardo Codet, o argentino está afastado da equipe principal do Racing.

Leia mais: Presidente da Conmebol define prazo para escolha da sede do Mundial de 2030
Maradona cita campanha contra ele e ameaça deixar time mexicano

Diante do contexto atual que vive, Centurión falou em entrevista de sua situação. “A noite não tenho sono, tenho vontade de sair e beber algo, todos os dias. E isso é ruim. Meus amigos me dizem que não vão comigo e eu digo que, mesmo assim, vou sair de todo jeito”.

Apesar de reconhecer os deslizes, o jogador minimiza o que fez. “Tenho seis anos de carreira até aqui. Sei que cometi erros, mas necessito apenas da ajuda de um psicólogo. Afinal, que erros graves cometi?!”.

Embora viva situação delicada, em que sua permanência no Racing é muito improvável, Centurión não se mostra arrependido das atitudes. “Aos 36 anos, se me aposento, não vou me arrepender de nada. Minha mãe me diz que tenho que ser profissional, depois tomo ou não a decisão do que fazer”.

Por fim, Centurión se mostra tranquilo quanto ao seu futuro, permanecendo ou não no Racing. “Vou jogar futebol de qualquer jeito, aqui ou em outro lugar”.

Aos 26 anos, revelado no Racing, Centurión teve passagens por Genoa, São Paulo e Boca, alguns em mais de uma oportunidade. Em 2017, voltou a defender o time que o revelou, mas acabou afastado após se desentender com o atual técnico da equipe em fevereiro deste ano.