SHARE
Foto: Divulgação River Plate

Quantas vezes você já vou dizer: “Libertadores é uma guerra”? Pois bem, após os dois duelos de ida da semifinal do maior torneio de clubes do continente, ficou claro que apesar da alma latina, o sangue quente sul-americano a todo vapor, o essencial é jogar bola.

Leia Mais: Grêmio atropela Barcelona e encaminha vaga na decisão da Libertadores
Estrela de Scocco brilha e River Plate vence Lanús no Monumental de Núñez

Nesta semana, River Plate e principalmente o Grêmio, mostraram aos amantes do futebol no continente que, para se destacar na competição não é necessário trocar socos, deixar o corpo sujo de terra ou sangue na camisa. A equipe que sonha em vencer a Libertadores precisa ter qualidade com a pelota nos pés.

No Monumental de Núñez, o River Plate encarou o Lanús e fez um confronto bem truncado. O primeiro tempo foi assustador para a torcida da casa, pois a sua equipe parou na marcação do rival e pouco criou.

No segundo tempo, Marcelo Gallardo soltou o time e resolveu jogar bola. Com o meio-campo adiantado, o River empurrou o adversário no campo de defesa e no oportunismo de Scocco saiu com a vitória e vantagem.

Mesmo com um jogo duro na semifinal, a campanha do time argentino é marcada pelo bom futebol. A prova é o duelo das quartas de final, onde no apoio da torcida e principalmente pela apresentação dentro das quatro linhas, os Millonarios reverteram um placar de três gols e venceram por 8 a 0 o Jorge Wilstermann.

O outro time que chamou a atenção pela bola foi o Grêmio. Conhecido por ter uma alma copeira e muita raça, o Tricolor aproveitou algumas baixas do Barcelona, colocou a bola no chão e praticamente se garantiu na decisão continental.

Antes do jogo existia uma expectativa muito grande pelo comportamento da equipe de Renato Gaúcho. A pressão da torcida no estádio Monumental era uma preocupação, mas tudo se acabou em sete minutos, quando o time brasileiro marcou um belo gol com Luan e abriu o caminho para mais uma vitória histórica.

Agora, o Grêmio pode perder até por dois gols de diferença que avança para a decisão. E sabe como essa vantagem foi construída? Através da qualidade de jogo e não na guerra.