A janela de transferências falando em jogadores sul-americanos foi bastante rica para o Everton, trazendo o time inglês os atacantes brasileiros Bernard e Richarlison além do zagueiro colombiano Yerry Mina.

Leia mais: Time da LaLiga 1|2|3 é amplamente elogiado por venezuelano
Keylor Navas fala sobre o futuro no Real Madrid

Concentrando os olhares especificamente na dupla de atacantes vinda de Shakhtar Donetsk (Ucrânia) e Watford, da Premier League, pode parecer um pouco prematuro realizar essa avaliação. Todavia, pelas contratações e montagem do elenco dos Toffies, existe a clara possibilidade do time azul repetir o estilo de jogo implementado na última temporada pelo seu rival histórico, o Liverpool.

A estratégia de utilizar atacantes rápidos, habilidosos e com capacidade de recomposição defensiva feita com Mohamed Salah e Sadio Mané podem ser exercidas pelos brasileiros recém-contratados.

Abrindo o leque para outros componentes do elenco, a possibilidade de um meio-campista que joga com mais classe, aplica a intensidade necessária a equipe e dita o ritmo feita por Jordan Henderson pode ser adaptada a realizada do português André Gomes.

O centroavante espanhol Sandro Ramírez pode não ter qualidade tão refinada como a do brasileiro Roberto Firmino para sair da área e trabalhar com a mesma naturalidade que dentro dela. Contudo, o poderio goleador de ambos pode ser tranquilamente comparável.

Até mesmo o treinador português Marco Silva conhece bem esse estilo de jogo, já que no ano passado dirigiu justamente o Watford, equipe que se aproveitou bastante da agilidade de Richarlison para garantir sua manutenção na elite inglesa.

Vale ressaltar aqui que não estamos pontuando uma repetição a risca de resultados como chegar a final da Champions League, por exemplo. É apenas uma questão de estilo de jogo, maneira de se pensar o comportamento da equipe. E, logicamente, como seria curioso uma repetição tão imediata de uma filosofia aplicada justamente pelo maior rival.