andreas-pereira-destaca-dificuldade-de-ser-meio-campista-no-futebol-moderno-Futebol-Latino-09-09
Foto: Martin Bureau/AFP

Apesar de apenas 23 anos de idade, o brasileiro Andreas Pereira, desde que chegou a base do Manchester United (Inglaterra) vindo do PSV (Holanda), acumula várias experiências no time principal e também rodagem por outros ambientes do futebol europeu em times da Espanha como Granada e Valencia.

Leia mais: Miguel Layún dá longa entrevista sobre descoberta e cura de câncer
Brasil e Peru reeditam final da Copa América em Los Angeles

Com essa rodagem, o jogador já conseguiu identificar elementos que trazem um grande desafio para atletas que se propõem a jogar no meio-campo como é o seu caso.

“É difícil ser meio-campista no jogo moderno de hoje em dia. Para um meio-campista você precisa ser forte, rápido e ver o jogador muito rápido. Você tem que ser muito versátil”, disse em entrevista exclusiva dada ao jornal britânico The Independent.

Em meio a esse cenário, o jogador ressaltou como vê a mistura de culturas que agrega por sua criação dentro e fora dos gramados bem como a mudança de estilo de jogo desde que o norueguês Ole Gunnar Solskjaer assumiu o comando técnico dos Red Devils. Não à toa, no último mês de março, o clube exerceu o direito de renovação contratual e, agora, seu vínculo vai até junho de 2020.

“Eu sinto que tenho uma boa mistura entre a disciplina europeia e o talento dos jogadores brasileiros. Eu acho que é importante mostrar essas características em campo, mostrar sua identidade e quem você é. Quando eu era jovem, vivendo na Bélgica, meus pais falavam português, eu jogava no PSV da Holanda, você experimenta todas essas culturas diferentes e aprende a viver com elas. Eu acho que isso me fez um jogador melhor e uma pessoa melhor por me fazer sair da zona de conforto”, pontuou Andreas.

“Para mim foi ótima (a renovação). É muito importante que ele fale muito bem de mim e eu só quero fazer o meu melhor em campo para retribuir a fé que ele tem em mim. É muito importante para os jovens jogadores terem essa confiança e, quando você tiver a chance, tem que agarrar com as duas mãos”, finalizou Andreas Pereira.