SHARE
Foto: Divulgação

*Por Tiago Emanuel

Teve fim no domingo um dos momentos mais tristes da história do América de Cali. A tradicional equipe colombiana venceu o Deportes Quindío por 2×1 e carimbou o passaporte de retorno à elite do futebol nacional. Rebaixado em 2011, o América já foi 13 vezes campeão nacional e quatro vezes vice da Taça Libertadores da América.

Leia mais:

Na final da Sul-Americana, Atlético Nacional se iguala a Boca e Palmeiras

Definidos os classificados para os Playoffs do Campeonato Colombiano

Os responsáveis pelos gols da equipe de Cali foram o veterano Ernesto Farías, ex-Cruzeiro, e Cristian Borja, ex-Caxias e Flamengo. A última partida do quadrangular final teve contexto dramático: a bola parecia caprichosa ao não entrar e um gol contra fizeram parte do drama vivido pela torcida dos Diablos Rojos.

A imprensa colombiana ressaltou o período de suplício do América na segunda divisão. Os 1806 dias foram marcados por diversas crises econômicas e administrativas, frutos de más administrações. Nos cinco anos, 8 técnicos diferentes passaram pelo comando da equipe, até o retorno tão aguardado.

No discurso emocionado durante a reunião pós-jogo no centro do gramado, o capitão Camilo Ayala discursou emocionado: “Nesta tarde, tudo nos foi dado por ti, Senhor (Deus). Este é o único hino que temos para ti. Glória a todos, porque isto é para ti, Senhor. Vamos, carajo! (sem tradução)”.

A partida foi apitada pelo experiente Wilmar Roldán e foi transformada em festa pela torcida vermelha no Estádio Olímpico Pascual Guerrero. Além de Farias e Borja, o América contou com o jovem atacante Alejandro Peñaranda nesta temporada.

SHARE
A redação do site pioneiro em informações detalhadas a respeito do futebol na América Latina trabalha sempre para unir qualidade e dinamismo a um conceito moderno de jornalismo esportivo.