Foto: Reprodução/El Tiempo

*Por Juliano Rangel

Atuando pelo Flamengo, o atacante colombiano Fernando Uribe vem sendo o grande personagem de uma disputa entre o Atlético Nacional e Cortuluá, nos tribunais colombianos. O motivo é uma dívida que o clube da segunda divisão colombiana cobra de Los Verdolagas pela venda o jogador de 30 anos em 2015.

Leia mais: Crônica FL: Que a bola rolando volte a ficar em primeiro plano

Cinco motivos para acreditar no título do River Plate na Libertadores

Na última sexta-feira (07), o Atlético Nacional acabou perdendo o caso em segunda instância e terá que pagar uma soma de 5 milhões de dólares mais os outros encargos. Além disso, a equipe Verdolaga não poderá inscrever suas contratações nas competições que serão disputadas em 2019.  

Em um comunicado divulgado na própria sexta-feira, o Atlético Nacional explicou toda a situação e ressaltou que a diretoria irá se pronunciar no momento oportuno. O mais provável, é que o clube recorra ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) para resolver o caso.

Uribe chegou ao time da cidade Medellín em 2012, com a equipe comprando 50% de seu passe. A outra metade pertencia do Cortuluá, que pediu o valor referente a essa porcentagem em 2015, quando o atacante foi negociado com o Toluca.

Ainda no comunicado divulgado pela equipe Verdolaga, é dito que Uribe não renovou seu contrato na época porque pediu um salário que não poderia ser pago pela diretoria do Nacional. A equipe entende que o jogador estava livre e que a mesma não obteve nenhum proveito econômico na negociação.

Esse é mais um dos vários casos de litígios legais que o Atlético Nacional possui quando o assunto são os direitos de formação. Nesse ponto se encaixam as negociações de Marlos Moreno, Orlando Berrío e Dávinson Sánchez.