SHARE
El-Nacional-Atletico-Tucumán-Libertadores-Futebol-Latino-07-02
Foto: Arte Futebol Latino

Uma verdadeira epopeia ocorreu com a equipe do Atlético Tucumán na eliminatória da Copa Libertadores contra o El Nacional em Quito. De praticamente eliminado por W.O., os argentinos conseguiram uma suada, porém fundamental vitória por 1 a 0 em pleno Olímpico Atahualpa e seguem buscando uma vaga na fase de grupos da competição mais importante das Américas.

Leia mais: Atacante brilha e Unión Española garante vaga na próxima fase da Libertadores
Junior Barranquilla vence com facilidade e avança na Copa Libertadores

Tentando se aproveitar da preparação inadequada do adversário que vestia a camiseta da seleção argentina pelo acontecido, o El Nacional tentou logo de cara partir pra cima e conseguir rapidamente a abertura do marcador.

Mas, apesar da blitz implantada pela equipe Militar em questão de movimentação e velocidade, o máximo que foi obtido nos primeiros 10 minutos foi um chute perigoso praticado por Pedro Larrea que passou a esquerda do goleiro Cristian Lucchetti. O arqueiro que, aliás, era o único que tinha a sua camiseta original pelo fato de que dirigentes do Tucumán haviam levado a indumentária em outro momento ao local da partida para algumas formalidades de apresentação do duelo.

Depois dos minutos iniciais, aos poucos os argentinos começaram a ser mais presentes no plano ofensivo. Com isso, a meta de Darwin Cuero era cada vez mais ameaçada e, aos 26 minutos, por muito pouco os visitantes não tiraram o primeiro zero do placar na finalização equivocada de Fernando Zampedri praticamente na pequena área.

A movimentação e volume de jogo por parte do Atletico Tucumán se tornava cada vez maior, parecendo uma questão de maior precisão nas finalizações para que o time de Pablo Lavallén convertesse sua superioridade em gols. No entanto, isso não aconteceu no primeiro tempo.

Com a chegada da etapa complementar, o cenário pouco se modificou perante a equipe que comandava o confronto no sentido dos argentinos serem mais presentes no ataque, porém ainda pecando nas finalizações. Em uma delas, a bola ficou circulando pela grande área até que Cuero fosse obrigado a fazer duas importantes intervenções antes de conseguir encaixar a bola e mantê-la sob seu domínio.

Em outra clara situação ao Decano, mais precisamente aos 14 minutos, Zampedri apareceu novamente próximo ao gol equatoriano para concluir a jogada, mas, assim como aconteceu no primeiro tempo, finalizou para fora.

Depois de muita insistência dele e de seus companheiros, Fernando Zampedri finalmente balançou as redes para o Atletico Tucumán. Com 18 minutos, após cruzamento desviado do meio-campista David Barbona, a bola sobrou para mais uma cabeçada de Zampedri, que dessa vez foi certeira no contra-pé de Cuero e balançou as redes do El Nacional para delírio dos muitos torcedores argentinos presentes em Quito.

Como não poderia ser diferente, a pressão mudou de lado após o tento visitante e o time Militar começou a ser mais presentes tanto na posse de bola como nas investidas ao ataque. Todavia, o “ferrolho” da defensiva Albiceleste eficiente aliado a pouca inspiração de criatividade para elaborar jogadas mais rápidas dos equatorianos dificultavam a missão da equipe mandante.

Todos esse fatores contrários não evitaram, evidentemente, que os minutos finais do embate ficassem emocionantes, decretando o apito derradeiro do árbitro uruguaio Andrés Cunha uma qualificação histórica para o Tucumán.