SHARE
brasileiro-vivera-noite-reencontro-velho-conhecido-na-mls-Futebol-Latino-06-05
Foto: Divulgação/Chicago Fire

Passar muito tempo em um mesmo clube e, em outra oportunidade, passar a ser adversário dessa casa é uma sensação estranha para qualquer jogador. É esse tipo de sentimento que o meia brasileiro Juninho terá de lidar quando entrar em campo hoje (6) contra o Los Angeles Galaxy pela Major League Soccer.

Leia mais: Em fotografia, Buffon faz gesto tradicional em alusão a uma equipe argentina
Saiba quais times estão garantidos na próxima fase da Libertadores

Construindo toda a sua reputação altamente positiva aos olhares dos norte-americanos atuando em cinco anos (2010 a 2015) pela equipe da Califórnia, Juninho já confessou em entrevista que concedeu ao portal globoesporte.com que está estranhando seu retorno pela primeira vez a Los Angeles como oponente do Galaxy, já que agora defende o Chicago Fire.

O atleta revelado na base do São Paulo, porém que rumou cedo para os EUA tendo poucas oportunidades na equipe profissional do Morumbi, pontuou que o fato de atualmente jogar com um jogador do nível do alemão Bastian Schweinsteiger e já ter atuado com atletas como David Beckham e Steven Gerrard não atrai complicações, pelo contrário:

“Sinceramente, no meu modo de pensar e jogar, é muito mais fácil. Sem dúvida, a além da experiência deles, você acaba aprendendo. A bola vai redonda e chega redonda. Ainda estou vivendo isso. Estou tendo oportunidade de jogar com jogadores de nível mundial. Com certeza, no dia a dia, vou continuar aprendendo. Já conquistei a liga local (MLS) três vezes. Mas é sempre bom aprender com jogadores de classe mundial.”

A respeito de uma possível saída do Chicago Fire ou mesmo do ambiente do futebol nos Estados Unidos, Juninho prefere não pensar muito nisso no momento. Entretanto, no que depender de sua escolha deixou a entender que não tem a intenção:

“No próximo ano ainda tenho que cumprir contrato com o Tijuana e depois tenho futuro indefinido. Vamos ver o que vai acontecer este ano na MLS. Para mim, sinto muito mais à vontade aqui, em um país que já conheço. Já tenho identidade. Sou o brasileiro que mais ganhou títulos em 20 anos de liga. Conheço muito bem, me sinto mais à vontade aqui.”