Foto: Divulgação

Apesar de faltarem ainda 10 rodadas para que chegue ao fim o campeonato chileno de 2019, o bicampeonato nacional da Universidad Católica está muito bem encaminhado. Graças ao triunfo como visitante por 2 a 1 diante do Antofagasta além do “tropeço” do Colo-Colo frente ao Cobresal no Atacama por 2 a 0, a dianteira dos Cruzados que já era grande foi ampliada para incríveis 13 unidades, algo equivalente a mais de quatro rodadas.

Leia mais: Centurión se envolve em polêmica no México e técnico perde emprego
Batistuta recusa convite para trabalhar com Maradona na Argentina

E, em entrevista durante uma sessão de fotos para a marca de materiais esportivos que é sua patrocinadora, a Adidas, o meia argentino Diego Buonanotte reconhece que não imaginava ter uma situação dessa na altura que a competição nacional se encontra:

“Nunca se espera, mas, sabendo como se joga o futebol chileno e a competência que existe, sempre é lindo poder acumular uma distância maior. Não para relaxar, mas sim para entrar nas partidas sabendo que é o líder e que você tem essa tranquilidade.”

Apesar da parte positiva, o atleta de 31 anos de idade revelado no River Plate também frisou que esse momento mais confortável não pode servir como maneira de deixar o plantel mais “relaxado” ou mesmo dar a impressão de que somente a atual fase da Universidad Católica é positiva:

“Mas isso não pode ser confundido com um relaxamento, porque isso pode te levar para outro lado. Faz tempo que nós somos líderes, não só no atual campeonato como também no anterior, e é uma exigência que estamos lidando bem. Temos que seguir com a mentalidade ganhadora que nos fez ter sucesso em muitos torneios. Isso contagia, se nota que queremos ganhar tudo que está no nosso caminho. Estamos fazendo história na Católica.”

Com 25 jogos em 2019 e apenas três gols marcados, Buonanotte não tem o mesmo espaço e mesmo protagonismo na UC do que nos últimos dois anos. Entretanto, prefere não pensar, por ora, na chance de buscar oportunidades em outro clube.

“Hoje, mais do que falarmos de alguém que não joga tanto como gostaria, a cabeça está voltada para ajudar, em aportar, em aproveitar as oportunidades e sempre ser uma pessoa positiva para os meus companheiros. Em dezembro vamos ver, mas o foco hoje está voltado para conquistar os objetivos que é o mais importante para nós. Haverá tempo para pensar depois”, entende o jogador argentino.