Um daqueles dias para guardar com carinho. E contar para filhos e netos. É justamente assim que Felipe vai se lembrar para sempre do encontro ocorrido na última terça-feira (25) no Japão.

Leia mais: Conmebol divulga escala de arbitragem para os duelos da Libertadores
Houston Dynamo fatura a US Open Cup com goleada

Camisa 10 do Sanfrecce Hiroshima, líder da J-League, o meia encontrou nada mais nada menos que um dos maiores jogadores de todos os tempos do futebol mundial, Zico.

A emoção foi grande. E Felipe aproveitou para escutar com muita atenção cada palavra do ex-jogador, hoje dirigente do Kashima Antlers.

“Como eu sabia que iríamos jogar contra o Kashima eu já fui com o objetivo de encontrar o Zico depois do jogo. Oportunidades assim não acontecem todo dia. Logo que a partida acabou já fui procurar. O Zico me recebeu super bem, foi demais. Foi algo que eu nunca vou me esquecer. Um dia inesquecível com certeza absoluta. Ele é um ídolo mundial”, afirmou o meia com boas passagens por Ceará, Palmeiras, Atlético Paranaense e Figueirense.

Felipe é daqueles que carrega Zico realmente como referência. Tanto pelo que o Galinho foi dentro como fora de campo:

“Sou grato a Deus pela oportunidade de realizar meu sonho de conhecer esse ídolo. O Zico é daqueles fora de série. Jogou demais. Era um absurdo o que ele fazia e com a facilidade que ele fazia. Fora de campo é um monstro também. Foi pouco tempo de conversa, mas já deu pra aprender muita coisa. Ele é humilde demais. É ídolo.”

Apesar da felicidade do pós-jogo, o clube em que Zico é diretor não foi tão “generoso” com a equipe de Felipe, já que o Sanfrecce acabou perdendo para o Kashima por 2 a 0 pelas oitavas de final da Copa do Imperador.