COMPARTILHE
Chile-Equador-Eliminatórias-Futebol-Latino-05-10
Foto: Arte Futebol Latino

Quando a partida parecia se encaminhar para uma nova decepção do Chile mesmo jogando melhor diante do Equador em Santiago, o camisa 7, Alexis Sánchez, decidiu favoravelmente o duelo para a Roja no Estádio Monumental.

Leia mais: Venezuela segue sem passar pela Celeste em casa há um bom tempo
Jornal uruguaio prefere ser otimista com empate da Celeste

Os primeiros minutos se demonstraram com uma partida bastante aberta onde as duas equipes não tinham o menor receio em se atirar ao ataque, até mesmo contrariando um pouco as palavras do treinador equatoriano na última semana.

Conseguindo “acalmar” um pouco mais os ânimos e respirar com mais tranquilidade para trocar passes principalmente sob a batuta de Jorge Valdívia, o Chile foi tomando conta da partida e, aos 21 minutos, transformou sua superioridade em gol.

Em roubada de bola com mais uma aparição de Valdívia, o camisa 10 carregou do lado esquerdo do ataque, levantou a cabeça e tocou para Arturo Vidal estufar as redes marcando o primeiro gol de toda a 17ª rodada das Eliminatórias.

O gol animou a Roja no sentido de, cada vez mais, explorar as laterais da defensiva equatoriana com toques curtos e rápidos, envolvendo na maioria das vezes seus marcadores. Porém, o grande pecado acabou sendo as finalizações que tinham dificuldade para fazer trabalhar o goleiro Máximo Banguera.

O lance de maior perigo surgiu aos 40 minutos quando, depois de uma linda transição, o lateral-esquerdo Eugenio Mena encheu o pé e fez a boa raspar a trave direita de Banguera.

O segundo tempo, com o Equador precisando bastante voltar ao jogo e tentando avançar suas linhas de marcação, o jogo começou a ficar cada vez mais a mercê do desejo chileno. Tanto é que, com Valdívia e Vargas, a Roja perdeu duas boas oportunidades de ampliar sua vantagem na partida.

As melhores alternativas ofensivas da Tri vieram quando o lateral/ala direito Antonio Valencia resolvia fazer tabelas no plano ofensivo. Porém, sem muitas opções posicionadas de maneira mais avançada, na hora de finalizar é que as coisas se complicavam e o goleiro Claudio Bravo não era devidamente exigido.

Mesmo assim, quem acabou chegando ao gol foram os visitantes. Depois da boa jogada de Roberto Ordóñez, o cruzamento vindo da direita encontrou a chegada de Romario Ibarra que bateu de chapa para vencer Bravo, 1 a 1.

Porém, a festa dos equatorianos durou pouco tempo. Depois de uma “cochilada” na saída de bola de Alex Ibarra, Vidal tomou a bola e rolou para chute forte de Felipe Gutiérrez para defesa de Banguera. No rebote, Alexis Sánchez empurrou para as redes e fez estremecer o Monumental.

Depois disso, o Chile não teve vergonha alguma de se retrair e esperar o término do embate para embalar ainda mais o canto fervoroso do torcedor em festa na capital chilena.