COMPARTILHE
teo-gutierrez-celebra-junto-multidao-volta-ao-junior-barranquilla-Futebol-Latino-28-06
Foto: Divulgação/Junior Barranquilla

*Por Juliano Rangel – Colaborador do Futebol Latino

A relação jogador e clube, em alguns casos, se torna indescritível e se transforma em vínculo de amor. Muitos até declaram esse sentimento, como por exemplo, o colombiano Edwin Cardona, meio-campo Monterrey que disse querer um dia vestir a camisa do Boca Juniors.

Leia Mais: Tem latino na Europa! Confira as principais novidades da temporada dos clubes no velho continente
Filho de peixe, peixinho é: Jogadores que seguiram os passos dos pais

A fala do jogador surgiu após o mesmo se negar a jogar pelo Pachuca e dizer que o clube Xeneize seria a equipe em que ele gostaria de jogar na América do Sul. Diante desse cenário, o Futebol Latino preparou uma lista de cinco jogadores que atuaram por seus clubes de coração no continente Sul-Americano.

CARLOS TÉVEZ

Revelado pelo Boca Juniors, em 2001, Carlitos Tévez, como é conhecido, se tornou um grande ídolo do clube Xeneize e nunca escondeu essa amor pelo equipe. Por lá conquistou, em 2003, uma Copa Libertadores, uma Copa Intercontinental e um Campeonato Argentino, além de uma Copa Sul-Americana em 2004.

Em 2005, se transferiu para Corinthians, onde ficou até 2006 e depois foi para Inglaterra. Na terra da Rainha, jogou também nos rivais Manchester United e Manchester City. Em 2013 assinou com a Juventus e ficou no clube italiano até 2014, quando surpreendeu a muitos ao anunciar que voltaria ao Boca Juniors.

Com uma apresentação no Estádio La Bombonera, em Buenos Aires, para milhares de torcedores, Tévez veio para liderar a equipe. Nessa segunda passagem, conquistou Campeonato Argentino de 2015 e a Copa da Argentina de 2014/2015.
No final de 2016, se transferiu para Shanghai Shenhua, da China, para ganhar o maior salário do torneio local. Mesmo sendo criticado por alguns torcedores do Boca, o jogador de 33 anos já deu demonstrações de que pretende voltar a vestir a camisa Xeneize em breve.

GUILLERMO BARROS SCHELOTTO

Lançado na equipe principal do Gimnasia y Esgrima La Plata, em 1991, Guillermo Barros Schelotto logo despontou como uma das jóias do clube. Na equipe, ele apenas conquistou a Copa Centenário de 1993.

Seis anos depois, se transferiu para o Boca Juniors, onde conquistou 15 taças pelo clube, dentre elas: quatro Copa Libertadores em 2000, 2001, 2003 e 2007; duas Copas Intercontinentais em 2000 e 2003; duas Copa-Sul Americana e duas Recopa Sul-Americanas em 2005 e 2005; além de quatro torneios Apertura e dois campeonatos Clausura.

Deixou o clube Xeneize em 2007, para jogar no futebol dos Estados Unidos, no Columbus Crew. Permaneceu no clube até 2010, quando retornou ao clube ao Gimnasia para encerrar a carreira.

Um fato curioso dessa passagem foi que Schelotto assinou com o clube por seis meses e decidiu não receber salários durante o período.

TEÓFILO GUTIÉRREZ

Revelado em 2006 pela equipe B do Junior Barranquilla, o Barranquilla FC, Téo Gutiérrez chegou à equipe principal em 2007. No clube marcou 42 gols, em 75 jogos e permaneceu até 2009, quando se transferiu para Trabzonspor, da Turquia.

Após a passagem pelo clube turco, voltou para América do Sul, em 2010, para atuar no Racing, da Argentina. Em 2011, foi emprestado ao Lanus e, em 2012, foi cedido, por empréstimo ao Junior Barraquilla.

Novamente no clube que o projetou, Gutiérrez atuou em 18 jogos e marcou cinco gols. No final da temporada, foi vendido Cruz Azul, do México, e depois também passou pelo River Plate, Sporting Lisboa, Rosário Central e, no último dia 27 de junho, retornou ao Junior Barranquilla para sua terceira passagem.

Apresentado no Estádio Metropolitano Roberto Meléndez, na cidade Barranquilla, na Colômbia, para mais de 45 mil torcedores, o jogador de 32 anos disse que estava se sentindo um garoto e agradeceu as pessoas que o permitiram voltar ao clube.

DARÍO BENEDETTO

Revelado pelo Arsenal de Sarandí, em 2008, Darío Benedetto também passou no futebol argentino por Defensa y Justicia e Gimnasia de Jujuy, até se transferir para o futebol mexicano.

Por lá, atuou, entre 2013 e 2015, no Tijuana e, em 2015, foi comprado pelo América. Na equipe da Cidade do México, foi bicampeão da Liga dos Campeões da Concacaf nas temporadas 2014/2015 e 2015/2016.

Em 2016, pôde realizar um sonho que estava marcado na pele: atuar pelo Boca Juniors. O jogador tem o escudo do clube tatuado no lado esquerdo da barriga. No clube Xeneize, o atacante de 27 anos é o número nove da equipe e já foi campeão do último campeonato argentino.

DAVID TREZEGUET

Nascido na França, mas tendo vivido a infância na Argentina, Trezeguet começou sua carreira no futebol, em 1993, na equipe o Platense. Três anos mais tarde, foi vendido ao Mônaco, onde permaneceu até 2000, quando se transferiu para Juventus.

Deixou o clube italiano, em 2010, para acertar com o Hércules, da Espanha. Passou também pelo Baniyas, dos Emirados Árabes Unidos, até chegar o River Plate, em 2011.

Considerado seu time do coração, Trezeguet vestiu a camisa do Millonarios na conquistada da Série B do Campeonato Argentino, no campeonato de 2011/2012. Em duas temporadas, foram 37 jogos e 17 gols marcados.

Ainda na Argentina, vestiu a camisa do Newell´s Old Boys na temporada 2013/2014 e, em 2015, encerrou a carreira jogando pelo Pune City, da Índia.