Foto: Divulgação

No próximo domingo (9) finalmente a expectativa para saber quem será o campeão da Copa Libertadores na gigantesca final entre River Plate e Boca Juniors será saciada. E, desde já, podemos dizer que o clube Xeneize tem motivos de sobra para se sentir bem confiante de que levantará seu sétimo caneco.

Leia mais: Delegação do Boca Juniors desembarca na cidade de Madri
Torcida do Boca Juniors promove festa no embarque do time rumo a Madri

Por isso, o Futebol Latino resolveu elencar a seguir as cinco razões mais fortes que podemos listar para entender que o clube comandado por Guillermo Barros Schelotto sairá vencedor da decisão no Santiago Bernabéu, em Madri:

1- Alcançar o recordista Independiente

Apesar do Boca sempre se proclamar a equipe mais “internacional” da Argentina, sempre existiu o incômodo de saber que o clube de Avellaneda era o recordista de títulos quando o assunto era a Copa Libertadores. Algo que se tornou mais intenso com as recentes taças continentais do Rey de Copas e que pode ser minimizado com um empate de canecos graças a Liberta de 2018.

2- Sede de “vingança” por clima no Monumental

Os atletas e a delegação do Xeneize certamente utilizam a questão dos problemas ocorridos na chegada ao Monumental de Núñez como elemento de incentivo para superar mais esse imenso desafio. Afinal, atletas foram fisicamente feridos e o capitão, Pablo Pérez, precisou até mesmo ir para o hospital com um ferimento no olho.

3- Carlitos Tévez e seu “faro” por títulos

O experiente atacante identificado com o clube de La Boca pode estar longe de sua forma ideal, mas vem demonstrando ser um líder nato dos vestiários. Com sua vivência no futebol e a capacidade de crescer em jogos decisivos, o mesmo já mostrou que pode ser muito útil quando deu o passe para Benedetto marcar o terceiro gol em La Bombonera apesar do centroavante ter parado em Armani.

4- Fragilidade da defesa do River Plate

Se muitos apontam que o futebol do arquirrival é um dos mais vistosos da América em 2018, certamente a força de sua defesa é questionável. E é justamente nesse setor que nomes como Ábila, Pavón, Benedetto, Villa, Tévez e cia. podem marcar os gols necessários para a taça.

5- Permanência de Schelotto em jogo

O treinador está longe de ser unanimidade dentro do clube e informações sobre sua saída pipocam aos montes. Somente com a conquista do tamanho da Libertadores em cima do maior rival pode dar a estabilidade necessária ao profissional além da chance de disputar, agora como treinador, o Mundial Interclubes.