Universidad-Catolica-Quito-Colo-Colo-Copa-Sul-Americana-Futebol-Latino-02-04
Foto: Divulgação/Conmebol

Sobrou vitalidade a Universidad Católica de Quito, mas pesou para o Colo-Colo a questão da precisão e da experiência. Jogando no estádio Atahualpa em Quito pela Copa Sul-Americana, os visitantes aplicaram de maneira mais certeira seus esforços e, mesmo sem serem brilhantes, saíram da capital equatoriana com a vitória por 1 a 0 no confronto de ida.

Leia mais: San Lorenzo joga bem, derrota o Palmeiras e assume a liderança do grupo F
No grupo do Galo, Cerro Porteño bate o Nacional e dispara na liderança

Primeiro tempo

O princípio do confronto na capital do Equador até mostrou o Trencito Azul mais envolvente e deixando em apuros o sistema defensivo do Cacique. Porém, esse ímpeto durou somente nos 10 minutos iniciais pois, quando o time de Santiago passou a ter mais posse de bola e principalmente Valdívia aparecer com constância, logo o primeiro tento do jogo aconteceu.

Com 17 minutos, o meia chileno encontrou bem a infiltração do centroavante Esteban Paredes que, mesmo com chute mais na direção do goleiro Hernán Galindez, a força da finalização foi suficiente para fazer a bola ir para o fundo da meta adversária.

Depois do gol, a partida entrou em ritmo morno, maneira de jogo que era muito mais cômoda de ser administrada pelos colo-colinos pelo menos até os 37 minutos quando Miguel Parrales chutou muito forte e acertou o travessão do goleiro Brayan Cortés.

O arqueiro do time visitante também teve de trabalhar ao pular muito bem no chute de média distância dado pelo meio-campista Walter Chalá.

Segundo tempo

Com dois minutos de volta do intervalo, o Colo-Colo teve uma oportunidade excelente de conseguir deixar sua dianteira ainda mais confortável.

Depois de  chute cruzado forte defendido por Galíndez, Paredes tentou em um caprichoso toque de cobertura vencer o arqueiro adversário, mas o mesmo se recuperou bem e tocou com a ponta da mão para a linha de fundo.

Contando também com a experiência de seu plantel, o time visitante conseguiu conduzir o restante do confronto sem passar por grandes percalços.

Apesar da velocidade que seguia sendo aplicada pelo Trencito Azul, a precipitação no último passe seguiu sendo prejudicial ao time da casa até o apito final do árbitro brasileiro Wilton Pereira Sampaio.