com-experiencia-no-futebol-sul-americano-zagueiro-uruguaio-mira-o-brasil-Futebol-Latino-16-01
Foto: Divulgação/Cienciano

Já são quatro países da América do Sul no currículo do zagueiro uruguaio Walter Ibañez em clubes importantes da região como Defensor, Alianza Lima, Universidad Católica e Cienciano, atualmente na segunda divisão peruana, mas que já foi campeão da Copa Sul-Americana em 2003.

Leia mais: Cobiçado na Arábia, Claudio Baeza pode deixar o Colo-Colo
Agustín Allione é apresentado pelo Rosario Central

Mesmo com esse currículo interessante, o charrua disse que sente faltar ainda um mercado onde não teve a oportunidade de atuar e que, no que depender dele, será o seu próximo destino: O Brasil.

“Já atuei em diferentes países da América do Sul e pude acumular experiências muito positivas. Sempre fui um admirador do futebol brasileiro, um dos mais disputados do planeta. Hoje, tenho como meta atuar no Brasil. Seria um desafio muito interessante e uma oportunidade única”, revela o atleta atualmente com 34 anos de idade.

Tamanha é a identificação do jogador com o futebol brasileiro que um embate frente ao Vasco na Libertadores de 2012 quando ele defendia o Alianza ainda está bem nítido em sua memória. Ainda mais pelo fato de que, em pleno São Januário, ele deixou sua marca:

“Foi uma partida muito disputada. Estávamos jogando em São Januário e mesmo assim conseguimos abrir o placar. Acabamos sofrendo a virada e o Vasco chegou a ampliar para 3 a 1. Tive a felicidade de marcar aos 40 minutos do segundo tempo, mas infelizmente não conseguimos o empate. Lembro que aquela equipe do Vasco possuía grandes jogadores como o lateral Fagner e o zagueiro Dedé, que hoje atuam na Seleção Brasileira, além do meia Juninho Pernambucano. Apesar da derrota, foi uma experiência muito positiva.”

Apesar da idade já ser considerada um pouco elevada nos padrões físicos atuais, Ibañez garante ainda está em plena forma e elenca os números que conseguiu em sua última equipe na temporada passada:

“Tive um excelente desempenho individual em 2018. Disputei 33 partidas com a camisa do Cienciano, sendo titular em todas elas, e jogando os 90 minutos em praticamente todos os jogos. Sempre trabalhei muito esta parte física e graças a Deus nunca sofri nenhum problema grave de lesão. Sigo treinando normalmente e acredito que devo chegar ao meu próximo clube em perfeitas condições para atuar.”