No estádio Presidente Perón, o Racing até jogou mais, porém não conseguiu furar a retranca do River Plate e o jogo acabou sem gols. Com esse resultado, o time de Avellaneda passa com qualquer empate ou vitória no Monumental. Enquanto isso, os Millonarios precisam vencer. Caso o placar se repita, a vaga será decidida nos pênaltis.

O confronto da volta acontece no dia 29 de agosto, no estádio Monumental de Núñez, em Buenos Aires.

O duelo

Como já era esperado, Racing e River Plate iniciaram o confronto com o pé no acelerador. Enquanto a equipe de Avellaneda tentava propor o jogo, o time do Monumental de Núñez explorava os contra-ataques.

Quando o River controlou a pressão, a equipe de Marcelo Gallardo criou duas oportunidades. A primeira veio com Scocco, que furou na grande área após belo passe de Pity Martínez. A segunda surgiu com Pinola após sobra no escanteio, o zagueiro chutou de primeira e tirou tinta da trave de Arias.

A resposta do Racing veio com Gustavo Bou. Em jogada de velocidade, o atacante ficou em ótima condição e exigiu bela defesa de Armani.

Nos minutos finais da etapa inicial, o confronto ficou mais cadenciado e o River com um atleta a menos. O capitão Ponzio, que já tinha cartão, deu um carrinho no adversário e levou o segundo amarelo e acabou expulso.

No segundo tempo o Racing voltou no ataque. Com a vantagem numérica, a equipe de Avellaneda ocupou o meio de campo e rondava a grande área de Franco Armani. A primeira oportunidade veio com Centurión. O camisa 22 ganhou do zagueiro no alto, ajeitou o corpo e assustou o goleiro com a finalização.

Apesar da presença no campo de ataque, o Racing não conseguia furar a marcação do adversário. Nem mesmo com a entrada de Cristaldo e o esquema com três atacantes dava jeito.

No último lance, o Racing apelou para o chuveirinho e Cristaldo, sozinho, cabeceou no canto e parou no goleiro Armani.