Campeonato Boliviano: Comandado por José Luis Beñat, o Bolívar não tomou conhecimento dos rivais e ficou com a taça de maneira tranquila.

*Equipe Odds Shark

Assim como outros países, a Bolívia reorganizou seu calendário ao longo de 2016/17 para que a temporada 2018 seja anual. Deste modo, tivemos três turnos, mas, infelizmente, nenhum campeão geral, apesar do domínio do Bolívar. Relembre o melhor e o pior da cena nacional, segundo o Oddsshark.com.

The Strongest campeão do Apertura de 2016

No primeiro turno, após 22 compromissos, The Strongest e Bolívar terminaram iguais com 49 pontos. O regulamento previu que o desempate se desse ao meio-dia da véspera de Natal. Os aureonegros superaram a Academia por 2 a 1 recompensando o investidor em  R$ 2,32 / um, segundo o  Oddsshark.com.

Bolívar deu a volta por cima

No Apertura de 2017, a fórmula de disputa foi a mesma. Desta vez, porém, não houve empate. O Bolívar acumulou 50 pontos, nove a mais que o The Strongest. Seu último triunfo foi no clássico contra o Oriente Petrolero: 1 a 0 e 14% de lucro.

Novamente “El + Grande” e o Gualdinegro travaram um duelo particular pelo título do Clausura de 2017, que acabou nas mãos dos de La Paz: 44 a 40 pontos. Na última rodada, mesmo em seus domínios, o Bolívar ainda se deu ao luxo de perder para a Universidad de Sucre por 2 a 1 (R$ 4,25 / um, de acordo com o Oddsshark.com).

As vagas internacionais foram definidas através da classificação agregada destes três torneos. Bolívar, The Strongest, Oriente Petrolero e Jorge Wilstemann se classificaram para a Taça Libertadores.

Blooming, Guabirá, San José e Nacional Potosí carimbaram seus passaportes para a Copa Sul-Americana.

Petrolero rebaixado

O Petrolero, de Yacuiba, conseguiu apenas 69 pontos em 66 jogos. Teve o mesmo desempenho do Universitario de Sucre. Numa peleja extra, os Doctos se impuseram por 1 a 0 (R$ 1,61 / um).

Assim, os do ouro negro tiveram que enfrentar o Destroyers, perderam e tiveram suas cabeças cortadas.

Como foi a segunda divisão?

Vinte clubes disputaram a Copa Simón Bolívar de 2017, que é o equivalente à segundona local. O Royal Pari, de Santa Cruz de la Sierra, ficou com o título ao superar o Deportivo Kala na decisão.

Curioso foi o critério adotado para definir os promovidos para a temporada 2018. Subiram o Aurora, campeão do Nacional B de 2016/17, o Royal Pari e o Destroyers, que teve que passar pela repescagem contra o Petrolero, que acabou se tornando o único rebaixado. Os resultados deste playout foram 3 a 0 (R$ 4,96 / um) e 1 a 1 (R$ 3,40 / um).

Com três ascendidos, teremos catorze participantes na elite de 2018.

O vencedor do Torneo Nacional Interprovincial (a série C boliviana) foi o Quebracho.

Bolívia deu trabalho na Libertadores

O Universitario de Sucre caiu logo na primeira fase diante do Wanderers-URU. Foi um falso prenúncio de que a campanha do país de Evo Morales seria ruim.

O The Strongest conseguiu chegar à fase de grupos, pois eliminou os próprios Bohemios e a Unión Española. O Tigre foi além e chegou em segundo no grupo 2, à frente de Sporting Cristal e Independiente de Santa Fé e atrás somente do Santos. Na chave 3, o Jorge Wilstermann perdeu apenas do Palmeiras, mas foi superior ao Peñarol e ao Atlético Tucumán. O Sport Boys saiu pela porta dos fundos ao virar presa fácil de Atlético-MG, Godoy Cruz e Libertad em seu quadrangular.

Nas oitavas de final, o Lanús nocauteou o The Strongest por 1 a 1 (R$ 3,83 / um) e 1 a 0 (R$ 1,43 / um).

O Jorge Wilstermann foi mais adiante tirando o Atlético-MG. O Aviador acabou humilhado pelo River Plate. Depois de fazer 3 a 0 (R$ 2,88 / um) em Cochabamba, conseguiu tomar de oito (R$ 1,16 / um), em Buenos Aires.

Nem nas oitavas da Copa Sul-Americana

Três representações bolivianas passaram da primeira eliminatória do torneio. O único a cair foi o Petrolero, superado pela Universidad Católica equatoriana. Nacional de Potosí, Oriente Petrolero e Bolívar passaram respectivamente por Sport Huancayo, Deportivo Cuenca e Tolima.

Na segunda fase, o trio foi à lona. O Bolívar foi incompetente nos pênaltis diante da LDU de Quito, o Oriente Petrolero não deu nem para a saída contra o Atlético Tucumán, e o Nacional Potosí foi inferior ao Estudiantes.

Leia mais em Futebol Latino.

Classificação 2017 agregada:

1ºBolívar – 143 – Taça Libertadores (fase de grupos).

2º The Strongest – 130 – Taça Libertadores (fase de grupos).

3º Oriente Petrolero – 99 – Taça Libertadores (1ª fase).

4º Blooming – 95 – Copa Sul-Americana.

5º Jorge Wilstermann – 89 – Taça Libertadores (2ª fase).

6º Guabirá – 87 – Copa Sul-Americana.

7º San José – 85 – Copa Sul-Americana.

8º Nacional Potosí – 82 – Copa Sul-Americana.

9º Real Potosí – 81

10º Sport Boys – 77

11º Universitario Sucre – 69

12º Petrolero – 69 – Playout.