SHARE
curiosa-historia-lukian-festas-ronaldinho-gaucho-Futebol-Latino-12-01
Foto: Divulgação/Bucheon 1995

O futebol não é formado apenas pelas histórias dentro das quatro linhas, mas também pelas curiosidades que envolvem o esporte e os seus protagonistas, entrando justamente nesse mérito a situação que envolve o até então pouco conhecido jogador brasileiro Lukian e o astro mundialmente famoso Ronaldinho Gaúcho.

Leia mais: Jovem meia do Tigres ficará quase um ano fora de combate
Meia-atacante brasileiro acerta com time norte-americano

Em uma entrevista que foi concedida por Lukian ao site da ESPN, o atleta que atualmente defende as cores do Busan I’Park, da Coreia do Sul, disse que já presenciou uma “rotina” de festas do Gaúcho graças a sua relação mais próxima com o grupo de pagode Os Morenos e comprovou o que muitos já imaginavam: Elas geralmente não tem hora para acabar.

O mesmo disse que já estava em um ritmo de balada onde o também conhecido atacante Jô (atualmente no Corinthians) esteve presente com ele em uma pelada na noite anterior, o convenceu a ir a casa de R10 e, após toda uma noite de festa, o próprio Ronaldinho o convidou para retornar a sua mansão e continuar a festejarem:

“Já estava raiando o sol quando o Ronaldinho chamou pra irmos até a casa dele. Eu não queria ir, já estava morto, mas não tem como falar não para o Gaúcho. Ficamos uns 40 minutos na porta esperando para sermos liberados, aí fiquei batendo papo com o segurança para passar o tempo.”

Lukian ainda lembra em meio a risadas da “confissão” que o segurança com o qual esteve conversando fez a ele no que se refere a continuidade das festas e a sua impossibilidade de abandonar o posto sequer para ir para casa:

“Ele estava ‘um caco’, virou pra mim e falou: ‘Vocês acham que eu estou aqui desde às 22h de ontem? Que nada! Eu estou aqui faz dois dias e essa festa não acaba! Entra gente, sai gente, não termina nunca. Eu tenho família, rapaz, esse cara não cansa. Ele sai pra treinar e a galera continua na festa, ele volta e a festa não termina. Esse cara não me libera, eu quero voltar pra casa, pelo amor de Deus.”