dario-silva-desmente-informacao-sobre-trabalho-de-garcom-na-espanha-Futebol-Latino-16-05
Foto: AP

O ex-jogador uruguaio Darío Silva desmentiu informação que foi veiculada na última semana pelo programa de TV espanhol Jugones de la Sexta e replicada em veículos esportivos de todo o mundo alegando que ele havia se tornado garçom de uma pizzaria na cidade de Málaga, na Espanha.

Leia mais: Após temporada de péssimos resultados, Rosario Central terá reformulação no elenco
Gigante do futebol sul-americano negocia a volta de ídolo

Em entrevista concedida a rádio charrua 1010 AM na atração Tirando Paredes, Darío disse que, na verdade, a pizzaria é frequentada por ele pelo fato de ser de propriedade de um amigo da região e pelo clima acolhedor que ela proporciona.

“Estou contente. Vivo com minha família, com a Lorena e com minha filha, Luna. Venho a casa de um amigo e ele que tem essa pizzaria. Venho sempre e é a única pizzaria que eu pisei em Málaga porque me sinto como na minha casa. Não que eu trabalhe nelas, venho desfrutar com meus amigos. É que estava fazendo uma matéria e surgiu isso que eu estava ganhando a vida em uma pizzaria, mas não é isso”, esclareceu o ex-atacante que atuou por muito anos na Europa e também na Celeste.

Sendo forçado a se aposentar após um acidente automobilístico que resultou na amputação de parte da sua perna direita, o ex-jogador conta que teve muitas dificuldades para conseguir obter o direito do valor da aposentadoria por invalidez no Uruguai. Processo esse que, na Espanha, durou apenas alguns dias:

“Saí do Uruguai porque, quando aconteceu o acidente, pedi que me dessem uma pensão pela prótese e seus custos. No Uruguai me disseram que não podiam dar porque tinha 65% de invalidez. Aqui na Espanha em três dias consegui provar minha incapacidade e obtive o benefício. No Uruguai, sempre estamos atrasados.”

Em relação a sua situação econômica, Darío Silva disse que trabalha na empresa de um amigo que faz a representação de diversos jogadores e que não tem qualquer problema relacionado ao tema apesar das diversas críticas que faz aqueles que administraram sua carreira (empresário Pablo Boselli além do empresário Paco Casal e do ex-presidente da AUF e da Conmebol, Eugenio Figueredo) bem como outros nomes fortes envolvidos com o futebol uruguaio.

“(Pablo Boselli) é um reverendo ladrão, assim como Bruno Santini, seu advogado. Estão metidos em uma corrução que, no momento, já roubou muitos jogadores. Estamos falando de Cumbres de Carrasco (região nobre de Montevidéu), onde nos enganaram. De tanta corrupção que há no Uruguai, não conseguimos colocar eles no seu lugar que é no Comcar (famoso complexo penitenciário da capital uruguaia hoje chamado de Unidad N° 4 ‘Santiago Vázquez’).”