SHARE
dirigente-chileno-aponta-agradecimento-ao-fbi-por-fifagate-Futebol-Latino-23-11
Foto: Getty Images

A investigação feita pela justiça dos Estados Unidos batizada de Fifagate que apontou dezenas de nomes envolvidos em ato de corrupção balançou as estruturas do futebol mundial.

Leia mais: Frisando força como mandante, Jorge Almirón analisa derrota no RS
Zagueiro do Grêmio “caçou” arbitragem mesmo depois do apito final

Porém, para Harold Mayne-Nicholls, ex-presidente da Federação Chilena de Futebol e da Associação Nacional de Futebol Profissional, as coisas não tiveram qualquer tipo de alteração. Afinal, ele foi um dos poucos inclusive citados por delatores de não ter aceitado propina para venda de direitos de transmissão.

Em entrevista dada ao portal brasileiro Globoesporte.com, Harold citou, inclusive, que os amantes de futebol não tem de analisar se o FBI está extrapolando fronteiras, mas sim agradecer a iniciativa:

“Se não fosse pelos EUA, essas pessoas continuariam a roubar o futebol. Todos estão sendo julgados lá porque circulou dinheiro lá, por bancos de lá, todo mundo sabe que isso é um delito. Todos os que gostamos de futebol deveríamos agradecer ao FBI por limpar essa escória que roubou o futebol. E roubar o futebol é roubar o povo. Não há espaço para reclamar, porque os EUA estão fazendo o que nós não fazemos.”

Questionado se suspeitava de algo ilícito em sua época, ele afirmou que a forma como o presidente que o sucedeu na federação chilena (Sergio Jadue) começou a se tornar influente com muita velocidade o indicou que algo estava ocorrendo:

“Quando eu notei que Sergio Jadue chega e escala tão rapidamente várias posições na Conmebol, aí comecei a suspeitar que algo tinha acontecido. Criaram até cargo que não existia para acomodá-lo. Eu nunca tinha visto alguém chegar tão alto com tanta velocidade. Aí comecei a suspeitar. Quando Burzaco começou a falar, na semana passada, eu entendi o que havia acontecido. Estou impressionado que as pessoas possam ser tão egoístas para castigar o futebol em benefício próprio. Isso não tem defesa.”

Depois de ferir o Código de Ética da FIFA após pedir via e-mail para que dirigentes da Aspire Sports (academia esportiva ligada ao governo do Catar) integrassem filho, sobrinho e cunhado em programas de estágio, ele foi punido por uma suspensão de dois anos.