Foto: Reprodução/Mexsport

*Por Juliano Rangel

A saída de Edwin Cardona do Boca Juniors ainda não digerida pelo meio-campo colombiano. Atualmente na equipe mexicana do Pachuca, o atleta revelou que tinha o desejo de permanecer na Argentina, mas recebeu nenhum retorno da diretoria Xeneize.

Leia mais: Cerro Porteño afasta por tempo indeterminado torcedores de seu estádio

Atacante brasileiro projeta ano positivo no futebol da Tailândia

Em entrevista ao canal Fox Sports do México, Cardona disse que saiu com um sentimento de dor do clube. “Não queria terminar da maneira que terminei no Boca. Sempre disse que o melhor de mim era para o clube. Queria ficar, era o meu desejo, porém nunca me disseram nada, nem se queriam ter uma conversa comigo”, relatou o jogador.

Ele também falou sobre perda da titularidade no Boca ao longo de 2018. “A razão do treinador foi que haviam outros jogadores e que eu estava causando problemas na equipe. Porém, nunca me deram a oportunidade de seguir e demonstrar como eu jogava. Nunca deixei de treinar bem, até o último dia me sacrifiquei”, relembra Cardona.

O jogador de 26 anos disse que o ambiente com os outros jogadores era bom, mas preferiu não falar sobre o ex-treinador Xeneize, Guillermo Barros Schelotto, que o criticou recentemente. “Não digo nada a Guillermo, não tenho rancores. Me incomodou o que ele disse sobre a minha atitude, mas isso acontece com qualquer jogador. Eu queria jogar e dar uma mão para o time. Se eu o visse, gostaria de tomar um café com ele, perguntaria o que aconteceu e o que me faltou”, concluiu o colombiano.