Bolívia-Venezuela-1-Sul-Americano-Futebol-Latino-Sub-17-25-03
Foto: Divulgação/Conmebol

Bola na rede certamente não faltou quando o assunto foi o jogo de abertura na terceira rodada do Grupo A no Sul-Americano Sub-17 entre Bolívia e Venezuela. Com intensa movimentação e poder de conversão dos ataques, o placar final de 5 a 3 na cidade de Lima, no Peru, foi vital para a Vinotinto assumir a liderança da chave com cinco unidades e deixar La Verde na lanterna.

Leia mais: Técnico da Argentina garante Lionel Messi na Copa América
Di Maria rebate críticos por conta de ausência na seleção argentina

Primeiro tempo

Logo no começo do confronto, mais precisamente aos seis minutos de jogo, o trabalho ofensivo da Vinotinto foi muito bom e teve como resultado a abertura do placar. Jeriel De Sanctis recebeu em velocidade bom passe de Yorlen Cordero e tocou com muita categoria e tranquilidade por baixo de Jorge Mejia.

Enquanto La Verde tinha sérios problemas para elaborar jogadas de ataque, esbarrando na marcação adversária e errando também muitos passes, a saída venezuelana era bem mais rápida e consistente.

Não à toa que, antes dos bolivianos finalizarem contra o gol de Rodrigo De La Terga, Carlos Faya arriscou de longe e obrigou Mejia a uma defesa importante.

Com 21 minutos, a superioridade se tornou mais notável quando De Sanctis fez ótimo drible de corpo depois do toque de Aramburu, ganhou do defensor na corrida e bateu de chapa, na saída do goleiro da Bolívia. 2 a 0 Venezuela.

Ainda houve pelo menos mais três chances claras para que a Vinotinto ampliasse ainda mais sua dianteira em Rimac antes de, aos 35, Oswaldo Ruggeri receber bola de Darluis Paz e ter tempo de limpar a marcação e bater forte para assinalar mais um tento à favor da equipe dirigida por José Hernández.

Em uma das únicas vezes que o time de Sixto Vizuete conseguiu elaborar algo mais criativo, a arbitragem do uruguaio Andres Matonte marcou pênalti de Oscar Conde em Jeyson Chura. Na batida, o próprio camisa 9 bateu forte e, mesmo com De La Terga acertando o canto, não conseguiu fazer a intervenção.

Segundo tempo

Os bolivianos voltaram ao menos mais presentes no sistema ofensivo, conseguindo trabalhar com mais precisão do que o pouco trabalho dos 45 minutos iniciais. Porém, ainda era pouco para realmente criar um ambiente de pressão a um desconcentrado oponente.

Enquanto isso, a Vinotinto se limitava a retrair-se e não conseguia formular oportunidades de ligar contra-ataques perigosos o suficiente para ser tão insinuante como quando abrir a dianteira já obtida. E quem acabou sendo recompensado foi a equipe que voltou com mais atitude.

Aos 23 minutos, Julián López foi derrubado claramente dentro da grande área por Leonel Toro, penal assinalado pela arbitragem. Na batida, Robson Tomé bateu e converteu para deixar o confronto que parecia “resolvido” em um confronto aberto.

Porém, justamente quando La Verde reagiu no jogo, um minuto depois a Venezuela chegou pela primeira vez na etapa complementar e capitalizou. Em contra-ataque dominado por Ruggeri, ele tocou para Wikelman Cardona que ajeitou e, de pé esquerdo, acertou no ângulo de Mejía e recolocou os venezuelanos em posição mais confortável no placar.

Com o verdadeiro “balde de água fria” nos bolivianos, ainda houve espaço para De Sanctis fazer o seu terceiro na partida, o quinto da Venezuela, e Adrian Peña diminuir novamente a diferença o marcador.