COMPARTILHE

*Por Tiago Emanuel

O grupo comercial que dá as cartas no futebol uruguaio não vive os dias mais tranquilos de sua história. Detentora e intermediária dos direitos comerciais e de transmissão referentes ao Campeonato e à Seleção Uruguaia desde 1998, a empresa de marketing Tenfield viu um mar de tranquilidade tornar-se em um caos desesperador no ano de 2016.

Primeiro foram os atletas da seleção, que indignados com o valor pago à Associação Uruguaia de Futebol pelo patrocínio esportivo no uniforme, conseguiram uma proposta de outra empresa com cifras cinco vezes maiores. A Puma, atual patrocinadora, igualou a oferta e segue produzindo o uniforme celeste.

Os atletas da seleção também proibiram o uso de sua imagem comercialmente pela Tenfield, não exibindo nenhum dos patrocinadores em treinamentos e entrevistas. A medida com tom de retaliação refere-se à não assinatura de qualquer contrato dos selecionados autorizando a empresa a usar os direitos de imagem.

Como o que está ruim sempre pode piorar, a Tenfield está prestes a ver ruir seu império televisivo.  A ideia do Euromericas Sport Marketing, empresa que representa os grupos Turner e Fox, é eliminar o intermediário (cite-se, a Tenfield) e negociar diretamente com a AUF. O processo passaria pela criação de um canal próprio da Associação e a transmissão dos jogos nos mesmos moldes do campeonato argentino. Vale lembrar que a AFA transmitirá suas competições a partir de janeiro através do conglomerado.

Em entrevista ao uruguaio Ovación Digital, Gerardo Molina, representante da Euromericas, explicou: “a negociação contemplaria uma soma fixa e outra variável, que inclui a exploração dos direitos da seleção uruguaia e do futebol local, transmissões para o exterior, digitais, e-sports e a criação de um canal próprio”. O empresário ainda ressalta que algumas partidas seriam disponibilizadas de forma gratuita, graças às negociações publicitárias encaminhadas.

Um dos diferenciais propostos pelas empresas interessadas seria um sistema de incentivo econômico aos clubes pela audiência televisiva e pela melhoria dos serviços nos estádios. Outra bandeira é a profissionalização no recebimento dos recursos.

Caso a proposta seduza os dirigentes da AUF, a gigante Tenfield pode ficar com seus negócios cada vez mais comprometidos na pátria celeste.