empresa-streaming-detentora-sul-americana-chegada-brasil-Futebol-Latino-29-11
Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo

O grupo inglês de mídia esportiva DAZN anunciou por meio de seu setor de comunicação que vai iniciar as suas transmissões no Brasil já no próximo mês de dezembro. Contudo, a veiculação de partidas do campeonato italiano (Calcio) e francês (Ligue 1) será somente via redes sociais da empresa (Facebook e YouTube).

Leia mais: Parcerias com empresas chinesas crescem entre clubes brasileiros
Crônica FL: A palavra vem, mas não sai

A previsão da companhia é que a operação completa, incluíndo o seu pacote de assinatura que deve funcionar semelhante ao que ocorre com o serviço de streaming norte-americano Netflix, comece em março de 2019.

E, para atrair a atenção do público latino-americano, a DAZN conseguiu adquirir junto a Conmebol no último mês de outubro os direitos de transmissão da Copa Sul-Americana até 2022. Algo que, na época, gerou boas expectativas por parte do mandatário da Confederação Sul-Americana de Futebol, Alejandro Domínguez:

“Estamos muito satisfeitos em anunciar esse acordo com a DAZN e por permitir que os torcedores brasileiros possam experimentar os jogos da Copa Sul-Americana por meio de uma nova e empolgante plataforma. A primeira abordagem aos fãs da DAZN de oferecer acesso flexível e acessível aos maiores esportes do mundo é perfeita para nós e esperamos trabalhar com eles nas próximas temporadas.”

Com isso, a companhia europeia tem a premissa de selecionar as partidas que serão veiculadas na sua plataforma e aquelas que poderão ser vistas via redes sociais, algo como é feito pelos canais Esporte Interativo na atualidade por serem os detentores dos direitos da Champions League.

A DAZN já está ao vivo em sete países e demonstra continuar seu processo de crescimento a passos largos. O serviço entrou em cena em agosto de 2016 estreando no Japão, Alemanha, Áustria e Suíça. Depois de “conquistar” os mercados europeu e asiático, seu alcance chegou ao continente americano em 2017 no Canadá atingindo os Estados Unidos já em 2018.