SHARE
ex-coritiba-troca-futebol-sueco-rumo-ao-capitalizado-futebol-chines-Futebol-Latino-25-10
Foto: Divulgação

O volante de 24 anos de idade, Patrick Silva, com passagens pelo futebol paulista, paranaense e sueco, acertou sua transferência para o ascendente futebol chinês.

Leia mais: Com propriedade, Libertad passa a frente do Racing na Sul-Americana
Náutico fica no 0 a 0 com o Juventude e se complica ainda mais na Série B

Com a segunda economia mais forte do mundo e com o apoio incondicional de seu presidente atual Xi Jinping (amante do futebol e mais ainda do futebol brasileiro), a China virou o paraíso para os jogadores brasileiros.

E isso vale não somente para os clubes mais renomados, já que os clubes de menor expressão, ocupando a segunda ou mesmo a terceira divisão local, também estão investindo nos jovens talentos brasileiros. No caso de Patrick, por exemplo, ele está indo para o Qingdao Hiunghai, da segunda divisão chinesa.
Em um vínculo de dois anos de duração, estima-se que o atleta, segundo informou a agência BSI Soccer, vai ganhar o triplo do que vinha ganhando atualmente.
Faltam duas rodadas para o término da Liga Jia chinesa, equivalente a segunda divisão local, e o Qingdao Huanghai  atualmente figura na quarta colocação, não tendo mais chances de acesso em 2017. Isso porque, no regulamento, sobem somente dois clubes que já estão definidos: Dalian Yifang e Beijing Renhe.
Porém, o clube asiático já está projetando uma reformulação para a próxima temporada, esperando contar com reforços brasileiros em seu elenco. Nessa temporada não havia nenhum latino e os reforços estrangeiros (dois espanhóis e um sérvio), na concepção da diretoria, não funcionaram, já que a intenção da diretoria do Qingdao era obter o acesso ainda esse ano.
Em declaração, Patrick afirmou que espera corresponder as expectativas e também um maior reconhecimento. Apesar de ser destaque no futebol sueco, não houve valorização financeira ou aumento de visibilidade, sendo esse, inclusive, o motivo que o fez optar pelos serviços de uma das empresas de agenciamento esportivo que mais cresce no mundo. E ele já antecipou que está muito feliz com o serviço prestado até aqui:
“Hoje me sinto realmente agenciado e valorizado, não é a mesma coisa você mesmo tratar de negociações do que ter o serviço de uma empresa especializada no assunto, já que meu negócio é jogar. Antes pensava que eu mesmo poderia fazer, mas percebi que não e busquei a BSI. Hoje sei bem a diferença e estou muito feliz.”
O atleta com passagem pelo Coritiba deve se apresentar em Qingdao para a realização de exames médicos e a assinatura do contrato na próxima semana, aguardando somente a emissão do visto para que possa embarcar rumo a Ásia.