entidade-que-rege-o-futebol-na-colombia-vive-dificuldade-eleitoral-Futebol-Latino-30-07
Foto: Divulgação

*Por Juliano Rangel

O futebol colombiano pode dar um passo importante no auxílio ao trabalho dos árbitros nas competições nacionais. A Divisão Maior de Futebol Colombiano (Dimayor), entidade que administra o futebol profissional do país, está estudando a possibilidade de implementar o sistema de Árbitro Assistente de Vídeo (VAR) nos jogos do futebol nacional.

Leia mais: Confira os artilheiros de cinco grandes estádios pelo Brasil

Atacante do Sporting Cristal está perto de bater recorde de brasileiro no Peru

De acordo com o portal colombiano El Tiempo, a instituição está avaliando os aspectos técnicos, logísticos e financeiros para utilizar a tecnologia. A meta da entidade é de que o Árbitro Assistente de Vídeo (VAR) seja utilizado nas três principais competições do país – Primeira Divisão, Segunda Divisão e Copa da Colômbia, futuramente, em um ano e meio.

Em entrevista ao site, o presidente da Dimayor, Jorge Enrique Vélez, explicou um pouco sobre a logística e destacou que o primeiro passo é a capacitação dos árbitros.

“É diferente apitar com o VAR do que sem ele. Temos que trocar o chip dos árbitros e o primeiro a se fazer é capacita-los. Nós vamos muito bem. Já iniciamos a capacitação de sete árbitros, que obtiveram a melhor classificação entre os 55 juízes que estiveram no curso internacional. Temos a intenção de capacitar 100 árbitros, 30 da Série A, mais 60 assistentes e mais aqueles que estarão nas salas (onde o VAR é operado)”, contou o dirigente.

Ele também falou sobre os custos para implementar o sistema. “O VAR é muito caro, porém não pode ser o mesmo da Bundesliga, que vale seis ou oito mil dólares. Temos que buscar um VAR mais barato, porque não teríamos como pagar isso (os valores da Bundesliga). Nós não fizemos cotações, porém buscaremos algo bom, bonito e barato. Não me atrevo a decidir quanto pode valer”, ressaltou o presidente da Dimayor.

Por fim, Vélez detalhou que o sistema do VAR será centralizado, operando na cidade de Bogotá, muito similar ao que aconteceu na última Copa do Mundo disputada na Rússia, que contou com uma central na cidade de Moscou.

“A parte tecnológica não teremos problemas. É melhor que seja centralizado, isso tira a pressão dos árbitros das centrais localizadas nos estádios”, disse o dirigente que também destacou que o gerente da Dimayor, Iván Novella, e o instrutor arbitral, Imer Machado, estiveram na sede da Conmebol, no Paraguai, para se informarem sobre todos os requisitos de implementação do VAR.