COMPARTILHAR
Independiente-Deportivo-Lara-Copa-Libertadores-Futebol-Latino-24-05
Foto: Divulgação/Conmebol

Jogando em Avellaneda, o Independiente conseguiu o que precisava ao ganhar por 2 a 0 do Deportivo Lara. Resultado esse que confirmou o Rojo nas oitavas de final da Copa Libertadores e, pela vitória do Millonarios sobre o Corinthians em São Paulo, eliminou os venezuelanos de qualquer competição continental.

Leia mais: Otero faz dois, Estudiantes consegue virada heroica e avança na Libertadores
Atlético de Madrid e Inter de Milão travam disputa por sul-americano, informa site

As estratégias de grande volume de jogo e pressão absoluta do Independiente mediante a resistência conforme fosse possível por parte do Deportivo Lara eram fáceis de serem detectadas visualmente.

Ao ponto de, com 20 minutos de jogo, o Rojo ter tido pelo menos duas oportunidades claras de abrir a conta que só foram impedidas por uma defesa com o pé de Carlos Salazar e o travessão que foi carimbado em cobrança de falta executada por Martín Benítez.

Por outro lado, a primeira finalização dos venezuelanos só ocorreu aos 27 minutos quando Carlos Sierra conseguiu girar em cima da defesa adversária e bater para a firme defesa do até então mais espectador que jogador Martín Campaña.

E, depois de tanto tentar na bola rolando, foi em cobrança de escanteio que o Independiente furou a defensiva dos visitantes. Aos 37 minutos, Benítez bateu e contou com um desvio do lateral-esquerdo Daniel Carrillo para enganar Salazar e fazer 1 a 0 ao time de Avellaneda.

Para os 45 minutos derradeiros, a intensidade no volume de jogo do Rojo ficou ainda mais favorecido a partir dos 14 minutos quando, tomando o segundo amarelo, Daniel Carrillo deixou o Lara com um jogador a menos.

A pressão seguia essencialmente com jogadas na base da velocidade de Benítez e Maximiliano Meza (convocado para a seleção da Argentina na Copa do Mundo), cenário que confundia bastante a marcação do já bastante acuado Deportivo Lara.

Em determinado momento os visitantes até tentaram fazer frente aos anfitriões saindo mais para o jogo, mas foi aí que entrou em ação a velocidade de um contra-ataque argentino letal.

Após roubada de bola aos 35 minutos, Meza distribuiu o jogo e o sistema ofensivo do Diablo trocou passes rápidos até Emmanuel Gigliotti ficar cara a cara com Salazar e encher o pé para dar números finais a partida.