Mais uma vez sendo inferior em desempenho ao seu adversário, o Uruguai perdeu também seu segundo jogo em território asiático. Contra o Japão na cidade de Saitama, os Samurais Azuis ganharam por 4 a 3.

Leia mais: Times do México e Estados Unidos podem jogar a Libertadores a partir de 2020
Kempes ataca Maradona: “Cada vez que abre a boca, é problema”

O jogo

Nenhuma das duas equipes havia formulado um lance mais perigoso no ataque e, aos nove minutos, a habilidade e precisão do atacante Takumi Minamino fizeram a diferença. Recebendo passe em diagonal já dentro da área dado pelo meia Shoya Nakajima, o camisa 9 foi rápido no giro, fintou a marcação de dois zagueiros uruguaios e bateu alto para vencer Fernando Muslera.

Tendo sido mais acuado na posse de bola e marcação agressiva pelo adversário, o Uruguai praticamente não chegou ao ataque até aos 17 minutos quando, em cobrança de escanteio, Diego Godín foi soberano como de costume e cabeceou para exigir uma brilhante defesa de Masaaki Higasiguchi.

A criação de jogadas era bem mais volumosa dos asiáticos, trocando passes bem ordenados e abusando da velocidade de movimentação que constantemente abria espaços na zaga charrua.

Mesmo sem demonstrar grandes ideias à frente e apresentando as mesmas dificuldades do duelo onde foi derrotado pela Coreia do Sul, a Celeste chegou ao empate como se esperava: Na bola parada. Aos 28 minutos, uma cobrança de falta próxima a grande área foi desviado por Godín e, na pequena área, Gastón Pereiro dominou e bateu de pé esquerdo para as redes.

O tento foi muito mais um fato isolado do que motivo para melhora do cenário para os latinos. Nove minutos depois, os Samurais Azuis arriscaram chute de longa distância com Nakajima onde Muslera precisou fazer ótima defesa. No rebote, Yuya Osako estava atento para dominar e bater por baixo das pernas do arqueiro sul-americano.

Foto: Divulgação/Associação Uruguaia de Futebol

Segundo tempo

Menos de um minuto passado na volta do intervalo e a atitude e postura mais adiantada no jogo pelo lado do Uruguai. Após trabalhar bem a posse e com velocidade nos passes, o cruzamento vindo do lado esquerdo encontrou Pereiro dentro da área que, ao testar firmar, fez Higasiguchi trabalhar muito bem.

Com a postura mais avançada e organização tática dos latinos, a partida ficou mais aberta e, por um erro crasso do zagueiro Gento Miura, a Celeste chegou ao seu tento de igualdade.

O zagueiro japonês tocou em direção ao goleiro Higasiguchi e não percebeu que Edinson Cavani tinha plenas condições de antecipar seu companheiro e foi o que aconteceu. Com isso, ficou fácil para o número 21 driblar o arqueiro asiático e bater rasteiro para o 2 a 2.

No entanto, nem deu tempo para os uruguaios comemorarem muito pois, dois minutos depois, uma saída errada na defesa do lado sul-americano resultou na roubada de bola e a rápida transição encontrou Ritsu Doan entrando bem na grande área. O nipônico esbanjou habilidade para driblar seu marcador e bater colocado, no canto esquerdo de Muslera.

A partida seguiu bastante ativa, tanto que antes do apito final ainda houve tempo para que Minamino ainda fizesse o quarto para os donos da casa e Jonathan Rodríguez diminuísse a desvantagem do Uruguai.