Foto: Aton

Desempregado desde a saída da Arábia Saudita, Juan Antonio Pizzi virou um dos alvos do San Lorenzo, que mandou embora Jorge Almirón após o encerramento da fase de grupos da Libertadores.

Leia Mais: Camilinha comemora chamado para a Copa do Mundo feminina
Apostas: Athletico é considerado zebra no duelo contra o Fortaleza

Se antes o Ciclón não havia procurado o seu serviço, atualmente a história mudou e a diretoria do gigante argentino foi atrás de seu empresário para iniciar uma conversa.

Ídolo da torcida, Pizzi não cogitava uma volta ao futebol local, mas devido a identificação com o San Lorenzo, ele aceitou ouvir a oferta.

Preocupado com a falta de dinheiro do Ciclón, Pizzi deixou claro que, inicialmente, ele quer participar de uma reunião para entender melhor o poder financeiro e a possibilidade de utilizar os jovens da base. Caso ele fique animado, a negociação terá sequência.

No segundo semestre, além da Superliga Argentina, o San Lorenzo vai jogar as oitavas de final da Libertadores. O rival é o Olimpia.

História no Ciclón

Juan Antonio Pizzi chegou ao San Lorenzo em outubro de 2012 e saiu 14 meses depois com um título nacional e uma base formada, que seria campeã da Libertadores em 2014 nas mãos de Edgardo Bauza.