COMPARTILHAR
Foto: Divulgação

Quando um músico não faz sucesso nenhum com o público, mas é apreciado por meia dúzia de críticos e uma dúzia de outros músicos, se fala que esse artista é um musician’s musician. Isso basicamente quer dizer que você precisa ser um músico para entender o que esse cara muito louco está fazendo.

O futebol não tem muito dessas subjetividades loucas da arte – ainda bem -, mas dá perfeitamente para dizer que há um exemplo do caso acima: Marcelo Bielsa, conhecido eternamente como Loco Bielsa.

Pois bem, o louco vai ter que aprender inglês, ou pelo menos desenferrujar ele, após ter sido contratado pelo Leeds United para tentar levantar o tradicional time e trazer ele de volta para a Premier League. Ele pode até baixar um aplicativo online para aprender inglês, já que há vários interessantes por aí, como o App da Babbel, entre outras marcas existentes no mercado.

E isso pode dar certo? A resposta será sincera: não dá para ter a mínima ideia.

O toque de Bielsa

Pep Guardiola já o chamou de melhor treinador do ano, no mundo, em 2011. Jorge Sampaoli é fã. Mauricio Pochettino (Tottenham), Marcelo Gallardo (River Plate) e Diego Simeone (Atletico de Madrid)  foram todos jogadores seus e o citam como influência.

Jogadores de todas as nacionalidades já o chamaram de gênio, mentor e foram só elogios.

Se muitos treinadores ganham o título de professor de seus comandados, Bielsa é realmente um professor, quase um Doutor. Ele beira o perfeccionismo com a tática e seu estudo de vídeos não tem paralelo no futebol. Seus treinamentos também são revolucionários e ele está nessa vanguarda há muito tempo.

Roberto Ayala, zagueiro da seleção argentina na virada dos anos 90 para os 2000, disse que muitas vezes nem via atacantes e meio-campistas porque cada setor treinava separado.

Antes de assumir o Athletic de Bilbao, ele assistiu os 38 jogos do clube no Campeonato Espanhol da temporada anterior. A busca por padrões, novas formas de jogar e posicionamento nunca terminam.

Carreira

Bielsa chegou na final da Copa Libertadores com o Newell’s Old Boys. Perdeu para o São Paulo. Ele treinou a seleção argentina na Copa de 2002, caindo de forma vergonhosa na primeira fase.

No Chile ele marcou época e fez a seleção jogar bola, mas sempre teve o Brasil como algoz nas competições e também na Copa do Mundo de 2010.

No Athletic de Bilbao (2011-2013) ele criou um time envolvente que eliminou o Manchester United na Europa League vencendo em Old Trafford. Mas perdeu a final para o Atlético de Madrid por 3 a 0.

No Olympique de Marselha (2014/15) teve 51% de aproveitamento em apenas um ano e se demitiu. Na Lazio ele foi confirmado e depois se demitiu dois dias depois. Assumindo o Lille (2017), ele afastou jogadores experientes, teve dinheiro para contratar mas nada deu certo. Ele foi demitido em dezembro, quando a equipe estava na zona de rebaixamento. A equipe se salvou no fim.

Para resumir, conquistas: Medalha de Ouro nas Olimpíadas de 2004, Dois Clausuras e um Apertura na Argentina, ainda nos anos 90. E muitas discordâncias com dirigentes.

Quem é o louco aqui?

Marcelo Bielsa claramente é, só ver suas entrevistas. Mas quem está do lado errado aqui, vendo as coisas distorcidas? Os jogadores que o chamam de gênio (Fernando Llorente, por exemplo)? Os treinadores que o tem como influência? Ou quem acompanha futebol e não entende como ele basicamente não ganhou nada, mesmo sendo tão bem credenciado?

No Leeds, Bielsa não terá um elenco incrível, mas na concorrida segunda divisão inglesa ele precisa mostrar alguma coisa, para não ser o musico que alguns acham incrível, mas faz show para 13 pessoas. O rei da tática precisa mostrar seus dotes no futebol mais tático que existe.