Foto: Divulgação

O Atlético-PR é campeão da Copa Sul-Americana. Após empatar no tempo normal e prorrogação por 1 a 1 com o Junior Barranquilla, o Furacão levou a melhor nas penalidades por 4 a 3. É o primeiro título continental da história do time brasileiro. Com a taça, o time da Arena da Baixada está na Libertadores 2019.

O jogo

O primeiro tempo foi bem aberto. Dentro de casa, o Atlético-PR pressionava e tentava encurralar o rival. Enquanto isso, o Junior Barranquilla apostava na troca de passes para envolver a marcação do Furacão.

Na melhor chance colombiana, Teo Gutiérrez achou Barrera, que chutou de primeira e tirou tinta do travessão de Santos.

Quando teve a chance o Furacão foi mortal. Raphael Veiga e Pablo tabelaram e o meia deixou o atacante na cara do gol. O camisa 5 pegou de primeira e balançou a rede, 1 a 0.

No segundo tempo o Atlético-PR voltou elétrico e teve a bola do jogo nos primeiros segundos. Novamente Raphael Veiga deixou Pablo em excelente condição. O atacante bateu cruzado e Viera tirou com a ponta dos dedos.

Na pressão para conseguir o empate, o Junior Barranquilla aumentou sua presença no campo de ataque e criou uma bela chance com Teo Gutiérrez. O atacante soltou o pé da entrada da área e Santos espalmou.

Na casa dos 12 minutos não teve jeito. Após cobrança de escanteio e desvio no primeiro pau, Gutiérrez mandou para o fundo das redes.

A virada quase veio dois minutos depois. Léo Pereira perdeu a bola, Teo Gutiérrez puxou contra-ataque, tocou para Léo Díaz, que deixou Castillo na cara de Santos. O atacante bateu cruzado e mandou para fora.

O gol sofrido abalou o Furacão que não conseguia se encontrar no jogo e cedia espaços ao Barranquilla, que enfileirava chance atrás de chances para matar o duelo, porém falhava na hora da finalização.

Prorrogação

Os primeiros 15 minutos foram um retrato da etapa final. O Barranquilla continuava melhor e teve três chances para ficar em vantagem. Na melhor delas, Teo Gutiérrez saiu livre na grande área, mas chutou fraco e Santos encaixou.

Já o Furacão pouco fez. Com as principais peças cansadas, o time não conseguia encaixar seus passes. Na bola aérea, Raphael Veiga não parecia inspirado e errava os cruzamentos.

No segundo tempo o Junior Barranquilla teve a bola do jogo. Aos 5 minutos, Santos derrubou o jogador colombiano na área e o árbitro deu pênalti. Na cobrança, Barrera chutou por cima do gol e a Arena explodiu de alegria.

Pênaltis

Na marca da cal melhor para o Atlético-PR. O Furacão acertou quatro das cinco cobranças. Enquanto o time colombiano acertou três e errou duas.