pai-de-atacante-do-barcelona-critica-federacao-da-venezuela-Futebol-Latino-12-02
Foto: Divulgação

A situação do jovem atacante venezuelano Alejandro Marqués, do Barcelona (Espanha), em relação a ser nome considerado para a Vinotinto parece ter ficado mais difícil já que, recentemente, o atleta foi convocado para a Sub-19 da Espanha.

Leia mais: Técnico da La U ataca jornalista na véspera de jogo da Libertadores
Com força máxima, Racing divulga os relacionados para encarar o Corinthians

Apesar dessa situação, em entrevista dada ao portal Meridiano, o pai do Alejandro, José Marqués, garante que não depende apenas do desejo de seu filho integrar a equipe venezuelana:

“Independente do fato de Alejandro ostente a dupla nacionalidade praticamente desde o seu nascimento e que sempre tenha querido representar a Venezuela, a decisão de formar parte da Vinotinto não era uma decisão que ele pudesse tomar de forma unilateral. A FVF e o selecionador nunca quiseram entender as condições particulares do jogador e nem negociar para chegar a uma situação conveniente que resultasse em algo favorável para ambas as partes e que permitisse que Alejandro se fizesse presente no Sul-Americano 2019.”

As considerações de José foram ainda mais agudas no momento que creditou boa parte da responsabilidade de Alejandro ainda não ter atendido as convocações a postura da Federação Venezuelana de Futebol (FVF).

“Nas três oportunidades que convocaram Alejandro fomos suficientemente claros e transparentes para explicar a FVF e ao selecionador as causas que impediam que Alejandro assistisse a ditas convocações. Sem dúvida, a FVF preferiu publicar, em todas essas oportunidades, citações fora de contexto de suas respostas por sua total conveniência.”