SHARE
Foto: Santos/Divulgação

No dia 23 de outubro de 1940, o mundo ainda não sabia, mas, na cidade mineira de Três Corações, nascia aquele que é considerado um dos melhores (senão o melhor) jogador da história do futebol mundial: Edson Arantes do Nascimento, o Pelé.

Leia mais: San Jose Earthquakes pega a última vaga dos Playoffs da MLS
Árbitro relata reclamação de suposto ato racista no Ba-Vi

Evidentemente, locais com grande história por onde o Rei passou como Santos e a Seleção Brasileira não deixariam de registrar carinhosas lembranças ao ex-atleta pelo seu aniversário. E ambas escolheram suas contas oficiais em uma mesma rede social para fazerem as postagens:

Nesse mesmo dia, porém em 1977, ficava marcado também o encerramento da carreira de Pelé no amistoso entre New York Cosmos e Santos realizado nos Estados Unidos. E a declaração de Bobby Smith, ex-companheiro do histórico atacante brasileiro, reflete bem a idolatria despertou e desperta até hoje na história do esporte.

Falando ao site da ESPN brasileira, Smith disse que achava absolutamente estranho até mesmo a convivência com um atleta de nível tão alto:

“Aquele dia foi muito triste. Estávamos nos despedindo dele e não queríamos isso. Era um orgulho estar com ele todo dia. Nem parecia verdade que éramos companheiros de equipe. Era muito estranho. Nunca o vi como uma pessoal normal.”

Filme com toque norte-americano

Mais um registro cinematográfico sobre os feitos do Rei nas telinhas, a produção “Pelé – O Nascimento de uma Lenda” traz um tom fictício a toda a trajetória do aniversariante com pitadas brasileiras e estadunidenses.

O filme que já foi lançado no exterior no último dia 20 e tem previsão de chegar ao Brasil no próximo dia 26 de outubro está composto por figuras nacionais como o cantor Seu Jorge e nomes da dramaturgia como Felipe Simas, Mariana Nunes e Milton Gonçalves.

No entanto, o toque “Made in USA” fica por conta de toda a direção dos irmãos Jeffrey Zimbalist e Michael Zimbalist, nascidos no estado norte-americano de Massachusetts, na atuação de Vincent D’Onofrio e até mesmo na língua padrão do filme, o inglês.