Foto: Divulgação Kashima Antlers

*Por Mônica Alvernaz

Nascido no Maranhão em 24 de dezembro de 1985, Hugo Leonardo Silva Serejo, ou no futebol apenas Léo Silva, passou por diversos estados brasileiros defendendo clubes pelo país.

Leia mais: Costa Rica aproveita erros da Nicarágua e goleia em estreia na Copa Ouro
Uruguai, com absoluta propriedade, bate o Equador na Copa América

No URT de Minas Léo Silva começou na base e foi revelado no profissional. Mas foi no Cruzeiro, em 2003, que ele começou a ganhar projeção nacional.

O futebol mineiro continuou sendo a casa de Léo Silva, que defendeu o Ipatinga nas temporadas de 2004 a 2006. Com o passe vinculado ao Cruzeiro, ele retornou ao clube em 2007, atuando por dois anos.

Após quase 30 partidas com a camisa cruzeirense, Léo Silva foi novamente emprestado. A primeira parada foi o Botafogo, clube pelo qual o meia atuou em 2009. No ano seguinte, ele trocou o Rio de Janeiro por São Paulo, para defender o Guaratinguetá. Foram quase 70 partidas pelo clube paulista, até o ano que o jogador quebrou o vínculo que tinha com o Cruzeiro.

O ano era 2012, quando a Portuguesa ficou responsável pelos direitos de Léo Silva. Com a nova camisa, o meia jogou quase 60 partidas e balançou as redes adversárias em cinco oportunidades.

A crescente fase vivida por Léo Silva, o credenciou para jogar no futebol do exterior. O destino foi o outro lado do mundo, no Japão, local no qual o meia atua hoje.

De 2013 a 2016, a casa de Léo Silva foi o Albirex Niigata. No clube, o meia entrou em campo mais de 100 vezes e deixou sua marca em 20 oportunidades. Em 2017, Léo Silva trocou o Albirax pelo Kashima Antlers, clube que defende atualmente.

Vivendo grande fase na carreira, o meia já acumula quase 100 jogos, 11 gols e dois títulos: a Supercopa do Japão e a Liga dos Campeões da Ásia.

Neste último título, Léo Silva teve participação relevante, já que foi autor de um dos gols da partida de ida. No confronto decisivo, o bom posicionamento do meia colaborou para segurar o resultado conquistado na primeira partida, que garantiu o título inédito ao Kashima. Na ocasião, o gol chegou a ser comparado com um feito por Lionel Messi na mesma época.

A conquista que garantiu a participação no Mundial de Clubes foi mais um ponto alto da carreira de Léo Silva que, pelo menos por enquanto, não fala em retorno ao futebol brasileiro.