Enquanto no Brasil o assunto da arbitragem tem estado bastante em voga, no futebol paraguaio as coisas não caminharam muito diferentes no último fim de semana principalmente quando o assunto recai sobre a partida entre Libertad e Olimpia.

Leia mais: Náutico atinge a maior receita na Série B diante do Internacional
Os principais estádios do México não foram afetados pelo terremoto, segundo autoridades

Em meio a lances que geraram discussões e muitas reclamações principalmente dos Olimpistas, o jogo chamado de “Clássico Branco e Negro do Futebol Paraguaio” terminou com triunfo do Gumarelo por 2 a 1 e teve no gol que definiu o certame a maior das confusões.

Questionado a respeito da atuação do árbitro como um todo, o presidente do Olimpia, Marco Trovato, não fez questão de medir as palavras e atacou veementemente a atuação do árbitro Mario Díaz de Vivar:

“O que aconteceu sábado nos dá asco, chegam ao ponto de não serem erros. Sua posição é indefensável e é indiscutível. Não se pode seguir discutindo isso, o que foi feito é um absurdo. Quando falamos de polêmicas é quando o árbitro se equivoca, pode acontecer, mas o Libertad não teve jogadas desse tipo, todas elas foram contra o Olimpia.”

No lance do segundo gol do Libertad, Jesus Medina cabeceia para a defesa de Librado Azcona e, depois do zagueiro brasileiro Edcarlos não chegar no rebote, Óscar Cardozo completa para as redes e sai para comemorar, mas o assistente já parava o lance marcando impedimento. Depois de se reunir com o bandeirinha, o árbitro Diaz de Vivar decidiu assumir a responsabilidade e validar o gol.

Confira o lance que gerou toda a polêmica:

Source link