SHARE
Novo-presidente-FIFA-dirigents-mais-torcedores-Futebol-Latino-05-03
Foto: Alexander Hassenstein/FIFA/FIF

Assim como acontece na América Latina após tantas quedas presidenciais de confederações devido a casos de corrupção, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, tem a complicada missão de recuperar o prestígio perdido nos últimos anos.

Definidos os grupos da Libertadores 2017; veja como ficaram os brasileiros
Relembre grupos da morte na Libertadores dos anos 2000

E, em entrevista ao jornal espanhol Marca, ele deixou muito claro que essa é a vertente mais forte do seu trabalho a frente da entidade máxima do futebol:

“A FIFA é uma organização forte, tanto desde o ponto de vista econômico como do ponto de vista dos processos e suas regras internas. Ela está muito bem. É uma organização transparente. A partir de agora se saberá de onde vem e para onde vai o dinheiro, como o conseguimos e como o gastamos. Somos abertos e transparentes, essa é a base para tudo na FIFA.”

Outro ponto abordado por Infantino é com relação ao repasse de dinheiro que é feito para as diversas confederações ao redor do globo, investimento que deve aumentar nos próximos anos, porém não deixando de respeitar determinados critérios:

“A FIFA investe agora quatro vezes mais. Antes cada federação 1,6 milhões de dólares (cerca de R$ 5,3 milhões), agora são 5 milhões de dólares (R$ 16,6 milhões). Mas eles não são distribuídos de qualquer maneira, são investimentos para o desenvolvimento do futebol e cada federação deve cumprir alguns requisitos para o recebimento desse dinheiro. Esse dinheiro vai para o futebol e isso vai nos permitir investir 4 bilhões de dólares (R$ 13 bilhões) nos próximos 10 anos.”

SHARE

Formado em jornalismo no ano de 2012 pelo Centro Universitário FIAM, atuou em diversos segmentos da comunicação como editoras e sites de conteúdo esportivo. Foi editor e repórter do Universo dos Sports e hoje é, além de freelancer, editor do Futebol Latino e também colaborador do blog eMania.