COMPARTILHE
Petr-Cech-teme-mais-Iniesta-tridente-latino-Barcelona-Futebol-Latino-22-12
Foto: Miguel Ruiz/FCB

*Por Tiago Emanuel – Colaborador do Futebol Latino

Basta ver o trio Messi, Suarez e Neymar entrar em campo que dois processos inversamente opostos ocorrem: os apaixonados pelos azuis-grená vibram e os torcedores e defensores adversários tremem. O trio sulamericano é, provavelmente, a maior força de ataque do mundo, mas na temporada atual têm sido menos relevantes nos gols blaugranas.

Leia Mais: Cachorro invade cabine de imprensa e come lanche dos jornalistas
Crise no Blooming: por falta de pagamento, equipe treina sem médico

Bola na rede é sinônimo de MSN no clube e nas respectivas seleções, mas em 2016-2017 eles têm dividido mais o protagonismo, e uma análise das duas temporadas até outubro mostra isto.

No final de outubro de 2015, Suarez tinha 11 gols, Neymar 9 e Messi 5. Em 26 de setembro, em vitória sobre o Las Palmas, Messi lesionou-se e só voltou em novembro. 10 dias antes, na estreia pela Champions, Rafinha Alcantara machucou o ligamento cruzado anterior e perdeu toda a temporada.

Xavi havia se transferido ao Al-Sadd do Catar, e Arda Turan só pôde estrear em janeiro devido à punição do Barça, aumentando a responsabilidade do trio, que não decepcionou. O time viu 25 dos 33 gols no período saírem dos latinos. Significa dizer que de cada quatro gols dos catalães, três eram do MSN.

Nos primeiros três meses, o Barcelona havia vencido a Supercopa da UEFA (5×4 sobre o Sevilla), perdido a Supercopa Espanhola (derrota de 4×0 e empate por 1×1 com o Bilbao), venceu oito e perdeu duas em La Liga, além de duas vitórias e um empate na Champions. O aproveitamento do período foi de 79%.

O tempo passou, os lesionados voltaram, os impedidos estrearam na equipe, e a temporada recomeçou. Rafinha estava em fase final de recuperação nos Jogos Olímpicos, Neymar foi campeão e protagonista no Rio. Messi perdeu outra final para o Chile na Copa América, enquanto Suarez e seus colegas charruas foram eliminados na primeira fase. México e Venezuela avançaram na ocasião.

O elenco estrelado reunido desde o início da atual temporada tem proporcionado mais equilíbrio no protagonismo. O MSN, porém, segue imprescindível nas tramas ofensivas. A temporada 2015-2016 terminou com 122 assistências grenás, das quais 65 foram de Messi, Suarez e Neymar (53%). Em 2016-2017, dos 36 passes, 19 foram deles (52%).

Com os reforços de Arda e Rafinha, o Barcelona aumentou a produção ofensiva, chegando a notáveis 48 gols em 15 jogos (3,2 gols por jogo), sendo 14 de Messi, 10 de Suarez e 6 de Neymar. Os trinta gols do trio significam 62% dos gols barcelonistas. Neste ano, os dois meio-campistas anotaram 5 gols cada, distribuindo mais os gols da equipe.

O Barça venceu a Supercopa Espanhola sobre o Sevilla (2×0 e 3×0), tem 100% de aproveitamento na fase de grupos da Champions e dos 10 jogos em La Liga, venceu 7, empatou uma partida e perdeu duas.

Messi, Suarez e Neymar seguem como o trio mais temível dos gramados, mas nesta temporada experimentam dividir a responsabilidade com meias talentosos e com vigor de ataque, casos de Rafinha e Arda. Vale lembrar que em 2014-2015, última temporada em que o time venceu Champions e La Liga no mesmo ano, Messi e Neymar tinham Fabregas, Xavi e Iniesta como companheiros. Rafinha e Arda podem ser os companheiros ideais ao trio de ataque para vencer tudo outra vez.

COMPARTILHE
Formado em jornalismo no ano de 2012 pela FMU, atuou em TV, jornal e sites de conteúdo esportivo. Foi editor do site Universo dos SPorts e atualmente trabalha como editor-chefe do Futebol Latino.