Foto: Divulgação

*Equipe Odds Shark

Na National Hockey League, quem manda são os canadenses, que até hoje levantaram 53 Stanley Cups, contra 49 dos norte-americanos, mesmo tendo muito menos agremiações na liga. Será que na Major League Soccer se deu início a uma era de domínio dos vizinhos do norte? Ainda é cedo para responder a esta pergunta, mas o Toronto FC comemorou sua maior conquista este ano. Confira abaixo como foi a temporada e alguns prêmios pagos, segundo o Oddsshark.com.

Toronto FC, o melhor dos Estados Unidos

Com 69 pontos conquistados em 34 pelejas da etapa de classificação, o Toronto FC recebeu o Supporters’ Shield, entregue ao melhor entre ambas as conferências. De quebra, os rubros quebraram o recorde de pontos, terminando doze acima do New York City FC. Quem apostou no longo prazo nos outrights, recebeu um cheque de R$ 3,24 / um, de acordo com o Oddsshark.com.

Graças à sua performance, foi dispensado da primeira eliminatória. Na segunda, tirou o New York Red Bulls. Conquistou a Conferência Leste pelo segundo ano consecutivo ao se impor sobre o Columbus Crew. Na decisão, diante de sua torcida, venceu o Seattle Sounders, que lutava pelo bi, por 2 a 0, gols de Jozy Altidore e Victor Vázquez. A coluna um pagou R$ 1,80 / um.

Mais dois campeões nacionais

Apesar da US Soccer qualificar a North American Soccer League e a United Soccer League como segundas divisões, todos os campeonatos da nação da Estátua da Liberdade são independentes, têm campeões próprios e não há possibilidade de promoção ou descenso entre eles.

A edição 2017 da NASL contou com oito equipes. O Miami FC terminou em primeiro na temporada regular, mas fracassou nos playoffs. O San Francisco Deltas ganhou do NY Cosmos por 2 a 0 na decisão (R$ 2,21 / um) e subiu no lugar mais alto do pódio.

Na USL, a medalha de ouro foi entregue ao Louisville City, que superou o Swope Park Rangers na final por 1 a 0 (R$ 1,82 / um). Os que vestem roxo já haviam sido os melhores da primeira fase.

Sporting Kansas City repete feitos de 2004, 2012, 2015

A US Open Cup é a Copa dos Estados Unidos. Ela conta com duas etapas preliminares anteriores às 128as de final. Seguindo o modelo da Coupe de France, não há jogos de volta e, em caso de empate, temos prorrogação e, se necessário, pênaltis. Os quadros da NASL e da USL entram nas 64as de final e os da MLS nas 16as de final.

Foram poucos os casos em que uma franquia da MLS acabou eliminada por um elenco de um certame dito inferior. Estes vexames ficaram por conta do Real Salt Lake (goleado pelo Sacramento Republic por 4 a 1 e R$ 2,65 / um), Orlando City (que perdeu para o Miami FC por 3 a 1 e R$ 4,62 / um), Atlanta United (também batido pelo Miami FC por 3 a 2 e R$ 2,33 / um), Columbus Crew (parado pelo FC Cincinnati por 1 a 0 e R$ 4,30 / um) e Chicago Fire (nocauteado pelo mesmo FC Cincinnati nos pênaltis e R$ 3,89 / um).

O Sporting Kansas City faturou seu quarto caneco eliminando Minnesota United (4 a 0 e R$ 1,21 / um), Houston Dynamo (2 a 0 e R$ 2,37 / um), Dallas FC (3 a 0 e R$ 3,27 / um)), San Jose Earthquakes (nos pênaltis e R$ 3,92 / um) e New York Red Bulls (2 a 1 e R$ 1,77 / um, segundo o Oddsshark.com).

Os times norte-americanos fizeram feio na CONCACAF

Apesar do crescimento da Major League Soccer e do futebol como um todo na Terra do Tio Sam, dois fatos negativos marcaram o ano de 2017. O primeiro deles foi a desclassificação da seleção da Copa do Mundo de 2018. O pequeno Panamá fez a festa, junto com o poderoso México e a tradicional Costa Rica.

Já os clubes não foram bem na Champions League das Américas Central, do Norte e do Caribe. A fase de grupos tirou dois representantes dos Estados Unidos. O Portland Timbers, apesar de superar o Dragón salvadorenho, ficou atrás do Saprissa costarriquenho. Já o Sporting Kansas City bateu o Central, de Trinidad & Tobago, mas não passou pelo Vancouver Whitecaps, que é canadense, apesar de integrar a Major League Soccer.

No mata-mata, o New York Red Bulls, também foi desclassificado pela agremiação da Colúmbia Britânica: 1 a 1 (R$ 3,95 / um) e 2 a 0 (R$ 2,44 / um).

O melhor desempenho foi do Dallas FC, que ganhou de Suchitepéquez (da Guatemala), Real Estelí (da Nicarágua), Árabe Unido (do Panamá) e só foi barrado pelo Pachuca, que acabaria ficando com a taça: 2 a 1 (R$ 2,55 / um) e 1 a 3 (R$ 1,34 / um).

Ano que vem, os Estados Unidos vão de Colorado Rapids, Dallas FC, New York Red Bulls e Seattle Sounders. Que tenham melhor sorte!

Leia mais em Futebol Latino.

Classificação final da MLS de 2017:

1º Toronto FC – Champions League de 2018 (pelo Canadá).

2º Seattle Sounders

3º Columbus Crew

4º Houston Dynamo

5º New York City FC

6º Portland Timbers

7º Vancouver Whitecaps

8º New York Red Bulls

9º Chicago Fire

10º Atlanta United

11º Sporting Kansas City – Champions League de 2019.

12º San Jose Earthquakes

13º Dallas FC

14º Real Salt Lake

15º New England Revolution

16º Philadelphia Union

17º Montreal Impact

18º Orlando City

19º Minnesota United

20º Colorado Rapids

21º Washington DC United

22º Los Angeles Galaxy