COMPARTILHE
Foto: Agência Corinthians

*Por Tiago Emanuel – Colaborador do Futebol Latino

Nós latinos somos fascinados por gols, e de preferência, belos gols. Basta pensar em nossos maiores ídolos para confirmar a hipótese: Pelé, Maradona, Cubillas, Schiaffino. Mais alegres ficam ainda os nossos corações quando vemos boas tramas, tabelas, passes incríveis e gols memoráveis protagonizados por mais de um atleta. É impossível esquecer Pelé e Garrincha, ou ainda Romário e Bebeto fazendo a Copa de 1994 ter graça e sentido para a nação.

Leia Mais: Mario Kempes dispara: “Se esta é a seleção de Messi e seus amigos, que demonstrem isso”
Everton garante vaga na semifinal da Copa do Chile

Mas os tempos mudam, nossas estrelas vão embora e não vemos mais o bom futebol em nossos gramados. Certo? Nem tanto. Apesar de não tão frequentes, nós do Futebol Latino elencamos 5 grandes duplas de alto nível do futebol latino dos anos 2000. Confira abaixo nossa seleção de craques e aproveite para citar outras que fizeram a cabeça das torcidas pela América.

-Martín Palermo e Rodrigo Palacio – Boca Juniors – 2005-2009

Palermo e Palacio formaram uma das duplas mais emblemáticas da história do futebol latino nos últimos anos. Foram 5 temporadas seguidas atormentando as zagas adversárias, e só por isso já poderiam estar na lista. Mas a dupla foi muito além. O matador Palermo anotou 116 gols, já Palacio com sua trança balançou por 83 vezes as redes adversárias ao longo do tempo juntos. A lista de títulos é extensa, representando um tempo esplendoroso para o Boca: Apertura em 2005 e 2008, Clausura em 2006, Sul-Americana em 2005, Libertadores da América e Vice-Mundial em 2007, Recopas Sul-Americanas em 2005, 2006 e 2008.

-Javier Saviola e Juan Pablo Ángel – River Plate – 1998-2001

Durante três temporadas, ao final da década de 1990 e no início dos anos 2000, a dupla Saviola/Ángel deu inúmeras alegrias aos hinchas do River. Saviola tinha apenas 16 anos quando estreou pela equipe de Buenos Aires. Em sua primeira temporada, foram apenas 6 gols em 19 jogos. Aos poucos, porém, foi assumindo protagonismo e inclusive ultrapassando Ángel no número de tentos por temporada, assinalando 45 gols ao final da parceria. O colombiano tinha 23 anos na primeira campanha com “El conejo”, e assinalou 43 gols no período. Com a dupla, Los Millonarios venceram o Apertura de 1999 e o Clausura de 2000. O vice veio nos Aperturas de 2000 e 2001.

-Deivid e Victor Aritizábal – Cruzeiro – 2003

O terceiro posto é de uma dupla que jogou apenas uma temporada, mas que venceu tudo o que disputou: Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. Eternizados por narradores e sempre no corações dos azuis de Minas, Deivid e Aristizábal não disputaram nenhum jogo pela Raposa antes ou depois de 2003. Municiados pelo ídolo cruzeirense Alex, a dupla assinalou 53 gols na parceria, 25 do colombiano e 28 do brasileiro. A Tríplice Coroa de 2003 é prova de que não são necessários inúmeros jogos para tornar-se lenda no futebol latino.

-Fabián Estoyanoff e Carlos Bueno – Peñarol – 2002-2003

Estoyanoff e Bueno protagonizaram alegrias durante dois anos aos torcedores do Peñarol. A sintonia dos atletas somada à identificação com o clube foram elementos fundamentais para o sucesso dos parceiros. Dentro de campo foram 15 gols de Estoyanoff e 27 de Bueno. O Clausura e o Campeonato Uruguaio de 2003 foram vencidos pelos Carboneros enquanto a dupla comandava a ofensiva do time. Bueno atuou por oito anos com a camisa do Peñarol em duas passagens. Já Estoyanoff está em sua nona jornada com a equipe, onde atua desde 2012.

-Luizão e Edilson – Corinthians – 1999-2000

A quinta e última dupla desta lista é formada por Luizão, centroavante tradicional, e Edilson, o capetinha. Aproveitando a deixa, Edilson era perito em importunar a zaga (e quem mais pudesse) adversária, enquanto Luiz tratava de empilhar bolas no gol alheio. Tal parceria foi importante para colocar a dupla em maior evidência e levou-os a dividir o vestiário na Copa do Mundo em 2002. Edilson ainda jogou em Flamengo e Cruzeiro antes da Copa, já o centroavante permaneceu no Corinthians. Durante as duas temporadas juntos, somaram 44 gols e venceram o Brasileirão em 1999 e Mundial de Clubes em 2000.