na-argentina-boca-mantem-o-dominio-e-rosario-quebra-jejum-Futebol-Latino-26-12
Foto: Divulgação/Copa Argentina

Os últimos dias de 2018 chegaram e o Futebol Latino entrou no clima de relembrar o que ocorreu nas competições nacionais e continentais nas Américas. E, começando por ordem alfabética, veremos de que maneira se desenvolveu no futebol da Argentina tanto na Superliga como na Copa Argentina.

Leia mais: Edwin Cardona deixa o Boca Juniors e acerta com time mexicano
Messi teria “congelado” transferência envolvendo de Ligt e Barça

Bicampeonato (não sem ressalvas) do Boca Juniors

Tendo sido o vencedor da Superliga Argentina em 2016/2017, o Boca buscou e conseguiu a conquista do segundo título consecutivo em 2017/2018 que poderia dar a impressão de uma temporada bem -sucedida e que daria tranquilidade ao corpo técnico da equipe.

Mas as coisas não se desenrolaram exatamente dessa forma…

Com um ataque poderoso na campanha de 50 gols (o mais efetivo), o time Xeneize acabou muito mais beneficiado por sua força de marcar gols do que por ser efetivamente a equipe mais técnica ou mesmo com um estilo de jogo absolutamente confiável no padrão tático.

Mesmo após a confirmação da conquista, o trabalho de Guillermo Barros Schelotto já era contestado por todos os fatores citados com o adendo de que, na visão dos críticos, ele tinha peças no seu plantel que lhe davam plenas condições de apresentar resultados tecnicamente mais satisfatórios.

Não à toa, após o revés na decisão da Copa Libertadores frente ao eterno rival (River Plate), ele acabou não tendo seu contrato renovado. Agora, a equipe Azul y Oro busca fechar com Gustavo Alfaro, ex-treinador do Huracán.

Rosario Central “desengasgou” na Copa Argentina

Apesar de ser tradicional no cenário do futebol argentino, há bastante tempo o Rosario Central não sentia o gosto de comemorar uma conquista de elite. Mais precisamente desde 1995 com a taça da extinta Copa Conmebol.

Além da euforia na conquista obtida após superar na final o Gimnasia nas penalidades por 4 a 1 (empate por 1 a 1 no tempo normal) e a vaga na próxima Libertadores assgurada, o time dirigido por Edgardo Bauza conseguiu também “expurgar” um mal que perdurava em relação a chegar na final da Copa.

Em 2015 e 2016 os Canallas repetiram o feito de chegar a decisão do torneio, mas os gigantes Boca e River acabaram com o sonho dos rosarinos.