Foto: Divulgação Real Madrid

A conturbada final da Libertadores da América ganhou mais um capítulo neste sábado. Se na sexta-feira o Boca Juniors voltou a bater o pé sobre a realização do jogo, agora foi o River Plate que reclamou sobre a escolha de Madri para sediar a decisão.

Leia Mais: Conmebol define data e horário do primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana
Diretoria da La U nega saída antecipada de Johnny Herrera

Em carta divulgada no site oficial do clube, o Millonario contesta em três tópicos a atitude da Conmebol de mudar o local.

– Ataque ao ônibus

Na visão do River Plate, a polícia de Buenos Aires tinha a responsabilidade de escoltar o ônibus do adversário e não tomou as medidas cabíveis para evitar a aproximação dos torcedores.

– Ingressos

O River Plate entende que os 66 mil torcedores que adquiriram os ingressos para o jogo serão lesados por não poder acompanhar de perto a final. O time argentino entende que, a maioria dos torcedores, não tem condições de viajar até Madri.

– Segurança

O River usa o G-20, encontro entre as maiores economias do mundo que acontece em Buenos Aires, como justificativa para realizar o jogo. A ideia é que a polícia encontre um esquema de segurança efetivo que possa proteger tanto o seu time, como o rival dos vândalos que gostam de tumultuar nos estádios argentinos.

Confira o comunicado na íntegra aqui.