Foto: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

*Equipe OddsShark

Uma fórmula de disputa do Brasileirão continental à la europeia, somada a um inchaço do principal certame interclubes da América do Sul, com a manutenção de quatro meses e meio para os desgastantes Estaduais acaba causando distorções na Série A, que deveria ser a grande prioridade dos clubes da elite. Talvez seja a hora de repensar o calendário. Confira alguns dados, segundo o Oddsshark.com.

Leia Mais: Jogar contra a Chape geralmente é “bom negócio” para Patric
Treinador do Carabobo elogia desempenho de seus atletas

Corinthians merecidamente o campeão

Antes da edição deste ano começar, o Corinthians havia sido por seis vezes campeão nacional (1990, 1998, 1999, 2005, 2011 e 2015), além de ter prevalecido na Copa do Brasil em três oportunidades (1995, 2002 e 2009) e na segunda divisão de 2008.

Antes da liga dar seu pontapé inicial, em maio, o Timão havia conquistado o único campeonato estadual de alguma importância, o de São Paulo. Em seu território, detonou adversários importantes, como Palmeiras, Santos e São Paulo, sem mencionar as associações do interior, como Botafogo-SP, Ferroviária, Ituano, Ponte Preta e São Bento. Mesmo assim, muita gente levava fé que os caríssimos elencos de Palmeiras, Atlético-MG e Flamengo deslanchariam, ou que Cruzeiro e Fluminense pudessem surpreender.

Então, até 12 de maio, véspera da estreia corintiana contra a Chapecoense, o Timão era apenas o quarto mais provável a ficar com o título (R$ 9,00 / um). Estava atrás do Palmeiras (R$ 5,00 / um), Atlético-MG (R$ 7,00 / um) e Cruzeiro (R$ 8,00 / um) e empatado com Flamengo, Fluminense, Grêmio e São Paulo.

Dez jogos depois, qual era o panorama? Fábio Carille tinha conseguido cimentar sua defesa. Goleiro, laterais, zagueiros e volantes, todos fechavam espaços, marcavam, tinham excelente preparo físico e se viravam para tirar a bola da área. Líder desde a quinta rodada, os números do Corinthians caíram na décima para R$ 2,50 / um, segundo o Oddsshark.com, deixando Grêmio (R$ 6,00 / um), que também melhorou, Flamengo (R$ 7,00 / um), Palmeiras (R$ 9,00 / um), Fluminense (R$ 21,00 / um), Atlético-MG (R$ 26,00 / um), Cruzeiro (R$ 26,00 / um) e São Paulo (R$ 26,00 / um) para trás. 

Grêmio preferiu a Libertadores

A taça merecidamente foi parar no Parque São Jorge. O Corinthians assumiu a ponta na quinta rodada, fez um primeiro turno fantástico, quando abriu grande margem de pontos para os demais concorrentes e a administrou na segunda volta. Destacaram-se na campanha, o artilheiro Jô, o goleiro Cássio, Balbuena, Guilherme Arana, Ángel Romero, Rodriguinho, Clayson e o professor Fábio Carille.

Um dos fatores que ajudou o alvinegro foi que o quadro foi precocemente eliminado na quarta fase da Copa do Brasil, poupou vários jovens titulares na Copa Sul-Americana e não estava envolvido na Libertadores.

E o Grêmio preferiu a Libertadores! Quantas vezes você não leu, ouviu ou admirou o Tricolor Gaúcho, que tinha o plantel mais certinho do país? Muitas! Pois é, mas o Mosqueteiro bebedor de chimarrão priorizou a Libertadores, como todo representante tupiniquim faz. E qual foi resultado? Sacrificou-se o Brasileirão.

Luan e companhia começaram sua campanha mal cotados, devido ao péssimo desempenho no Gauchão. Antes do início da etapa de grupos, os brasileiros eram o 13º favorito ao título e pagaria R$ 23,00 / um. Sinto inveja de você, gremista, que apostou desde este momento! O êxito palmeirense valia só R$ 8,00 / um. Até o Lanús estava na frente, em oitavo, com R$ 18,00 / um. Esta semana, antes da final, o título gremista vale R$ 1,79 / um, contra R$ 2,00 / um dos argentinos. Como mudou!

Para ser justo com os paulistas, é bom registrar que o Corinthians derrotou o Grêmio em Porto Alegre por 1 a 0 e eles não saíram do zero no Itaquerão.Mesmo assim, na minha opinião faltou esta final, com o Grêmio jogando da mesma forma que encarou o Barcelona lá em Guayaquil. Acho que haveria muito churrasco no Sul para celebrar!

Repensar o calendário?

É curioso o fato de no país do futebol, as competições mais curtas, jogadas no meio de semana, sejam tratadas como prioritárias, enquanto que as longas, realizadas aos fins de semana sejam um estorvo. Sempre que o Grêmio precisava entrar em campo pela Libertadores, colocava os reservas em campo pela contenda nacional. O Corinthians não teve nada com isso, mas que acabou beneficiado, acabou!

É hora de se pensar, porque a Libertadores, que tem apenas dez países afiliados, precisa de tantos participantes? Este ano foram 47! Só do Brasil foram oito! Talvez por causa desta desorganização, o México tenha retirado seus indicados da batalha.

Para que servem os Campeonatos Estaduais? Instituições seculares estão indo à falência com eles. Basta ver o futebol de Pernambuco tendo Náutico, Santa Cruz e, provavelmente, Sport rebaixados numa mesma temporada.

Por que o nosso Campeonato Brasileiro precisa seguir o modelo europeu? Cabem dezesseis vezes a Espanha em nosso território. Se a La Liga tem 20 agremiações, o nosso torneio deveria contar 320! Claro que é um exagero, mas as finais das edições da primeirona que varreram os anos 70 aos 90 eram tão legais, atraíam tanto público, geravam tanta renda e, sem dúvida, não fariam com que os grandes clubes escalassem os reservas, depois das etapas iniciais.

Internacional e América-MG confirmam previsão da segundona

Baseado na tradição, no investimento e no desempenho dos clubes nos Estaduais, o Oddsshark.com publicou em maio que os favoritos ao título da Série B eram Internacional (R$ 2,50 / um) e América-MG (R$ 7,00 / um). E então, quem é líder e vice-líder passadas 36 das 38 rodadas? Saci-Pererê e Coelho não apenas são os dois primeiros, como são também os únicos com chances do título e os únicos já garantidos na elite de 2018.

Sabe que outra previsão foi analisada corretamente? A de que o ABC dificilmente subiria. O Elefante não tinha uma grande equipe, mesmo tendo conquistado o bicampeonato potiguar. Ofereceu-se R$ 51,00 / um, caso o alvinegro recebesse a medalha de ouro.

Leia mais em Futebol Latino.