COMPARTILHE
simbolo-da-selecao-feminina-formiga-comenta-que-quase-desistiu-da-carreira-de-jogadora-Futebol-Latino-16-05
Foto: Andre Ferreira/Getty Images

Apesar da evolução alcançada, o futebol feminino ainda conta as suas histórias da visão preconceituosa com as mulheres que optam por seguir o sonho de se tornarem jogadoras profissionais não apenas na questão de gênero, mas também estrutural.

Leia mais: Na Ásia, equipe de meio-campista brasileiro segue caminhada em busca de títulos inéditos
Quatro jogos definem a situação das equipes na Libertadores da América

Além da brasileira Camilinha, atualmente no Orlando Pride, ter falado em entrevista sobre o problema de preconceito dentro de sua própria família, dessa vez quem contou de uma maneira ainda mais intensa sobre os obstáculos existentes foi a experiente volante Formiga, do Paris Saint-Germain.

Em entrevista que a ex-jogadora da Seleção Brasileira concedeu ao site português oGol, ela conta que não foram poucos os momentos que pensou até mesmo em desistir, mas a força de seu sonho não permitiu que isso acontecesse:

“Graças a Deus, valeu a pena resistir, persistir e engolir o choro por várias vezes. Claro que em um momento e outro pensei que não ia suportar tudo e ia desistir… Tudo que passei para realizar o meu sonho só me deu forças para continuar em busca dele.”

A atleta hoje com 39 anos e prestes a jogar a final da Liga dos Campeões Feminina no dia 1° de junho contra o Lyon falou também sobre outros assuntos os quais você pode ver a seguir:

Apelido de Formiga

“Aos 13 anos, um torcedor colocou esse apelido por eu ser a menor de todas na competição e pela maneira com que trabalhava dentro de campo. ´Trabalho de uma formiguinha.”

Aposentadoria da Seleção Brasileira

“Foi um decisão muito difícil de tomar, corta o coração deixar algo que você dedicou anos e anos da sua vida com tanto amor e dedicação, mas deixar a seleção era o certo.”

Complicações maiores no passado para o futebol feminino

“Põe complicado nisso. Hoje, a dificuldade é menor do que quando eu comecei, isso eu te garanto! Mesmo que a modalidade não tenha tanta visibilidade e evoluir em passos lentos, hoje a nova geração está pegando a vaca com carne e não só o osso como peguei (risos).”

Aposentadoria dos gramados

“Pretendo me aposentar daqui uns dois, três anos. Eu acho.”