SHARE
uma-bomba-relacionada-suborno-estourou-no-futebol-peruano-Futebol-Latino-28-10
Foto: Divulgação/ADFP

Depois de uma semana onde casos de corrupção e combinação de resultados tiveram seus desdobramentos, o futebol da América Latina tem mais um caso de cunho criminal levantado. Agora, a suspeita é relacionada a suborno e tem como “palco” a segunda divisão do futebol peruano.

Leia mais: “Virando a chave” de novo, Grêmio enfrenta o Avaí no Brasileirão
Paysandu derrota Criciúma e respira na luta contra o rebaixamento

Logo depois da partida pela 26ª Rodada da segundona local onde o Unión Huaral perdeu por 4 a 0 dentro de seus domínios para o César Vallejo sendo três dos quatro gols nos primeiros 10 minutos.

A situação foi agravada pelo fato do duelo ser entre o segundo e o quarto colocado da competição, fato que inclusive chegou a motivar torcedores do Huaral a questionarem veementemente os atletas da equipe sobre uma possível “mala preta” para perderem a partida.

Até então, tudo parecia apenas algo no campo muito mais da especulação. Porém, um áudio vazado nessa semana e transcrito pelo jornal Libero entre o goleiro Fisher Guevara, do Deportivo Coopsol, e o atleta Ryan Salazar, do Unión Huaral, deu um tom de absoluta gravidade ao tema e certamente balançará o futebol peruano.

Segundo Fisher, ele foi procurado pelo presidente do César Vallejo, César Acuña, para oferecer dinheiro aos atletas do Huaral para que “jogassem normal”:

“O tio ‘Acuña’ me chamou e me disse: ‘Fisher, fala com o pessoal do Huaral’, ele me disse, ‘porque eu sei que o (Sport) Boys vai dar dinheiro pra eles. Busque para mim três, quatro jogadores. Eu lhe dou esse dinheiro do Boys para que joguem normal, Não estou dizendo para só se defenderem nem nada porque vamos com tudo, com árbitro e tudo, então eles podem ficar tranquilos.’ Algo assim. O primeiro que pensei foi você porque, bom, temos confiança e tudo mais. Isso é um tema delicado.”

Como resposta, Salazar chegou inclusive a alertar sobre o quão perigoso era sequer a cogitação desse tipo de assunto. Entretanto, além de em nenhum momento se negar a atender o pedido, chegou a citar que estava pensando:

“Me escute, estou analisando. Te chamo pra conversar mas, de qualquer maneira, isso é f…, Fisher. Mano, você sabe que tudo pode ser descoberto, se for para ganhar você sabe que é bem-vindo, mas um pouco atrás que seja é f…”

Ouça o áudio em questão: