Uruguai-Noruega-Mundial-Sub-20-Futebol-Latino-24-05
Foto: Getty Images

O placar de 3 a 1 favorável ao Uruguai diante da Noruega pela estreia do Mundial Sub-20 na Polônia pode dar uma falsa sensação de vitória segura dos latinos. Isso porque, para consolidar esse marcador na cidade de Lodz, a Celeste precisou “suar” bastante em meio a bons momentos vividos pelos europeus até o tento de Braian Rodríguez decretar o triunfo.

Leia mais: Honduras é massacrada pela Nova Zelândia na estreia do Mundial Sub-20
Paulo Autuori deixa o comando técnico do Atlético Nacional

Primeiro tempo

O confronto se mostrava bastante disputado e equilibrado quando os noruegueses chegaram a abrir a conta com Erling Haland. Porém, a arbitragem anulou o tento apontando o impedimento antes mesmo do cruzamento que chegou na medida para o camisa 19 botar nas redes.

Depois desse lance, os uruguaios passaram a ter mais atenção em seu sistema defensivo para, na frente, contar com uma bonita mistura de força e precisão de Darwin Núñez para inaugurar a contagem aos 21 minutos. Em lançamento do zagueiro Bruno Méndez, o centroavante viu o arqueiro Julian Lund adiantado e bateu firme para encobrir o goleiro adversário e fazer a festa dos charruas.

Melhor na partida e sendo mais eficiente nas saídas para o ataque, o Uruguai foi ágil o suficiente para aumentar a conta oito minutos depois. Em linda jogada pela direita com direito a caneta no adversário, Braian Rodríguez clareou o lance e tocou para Francisco Ginella que, dentro da área, bateu bem fora do alcance de Lund, 2 a 0.

Ainda houve oportunidade para que a Celeste deixasse seu placar mais elástico em trama bem construída. Entretanto, dessa vez, o goleiro norueguês conseguiu evitar o tento mediante a uma linda defesa de mão esquerda jogando para escanteio.

Segundo tempo

Com um minuto, o lateral-direito Dahle Borchgrevink, depois de um lançamento ótimo feito diretamente pelo zagueiro Tobias Borkeeiet, apareceu nas costas da zaga charrua e tocou de maneira sutil pro gol se aproveitando também da saída do gol do arqueiro Franco Israel para diminuir a desvantagem na Polônia.

O gol foi a injeção de ânimo e confiança que os europeus precisavam para exercer um nível de pressão mais elevado e suficiente para “acuar” o antes ativo Uruguai e limitar as ações sul-americanas a cortes para afastar o perigo dos arredores de sua grande área.

Em um dos lances mais agudos dessa crescente norueguesa, o meio-campista Hugo Vetlesen driblou dois adversários e cruzou com um pouco mais de força do que precisava, passando o ataque europeu principalmente com Haland muito perto de concluir e igualar as coisas em Lodz.

A partida seguiu em ritmo quase que frenético com a Noruega sendo ligeiramente mais eficiente na qualidade que fez justamente os uruguaios abrirem a dianteira na etapa inicial: A saída rápida para o ataque pegando a zaga adversária fora de posicionamento.

A pressão era europeia, mas quem conseguiu escapar de maneira letal foram os sul-americanos. O camisa 10 Nicolás Schiappacasse, que entrou na etapa complementar, mostrou seu talento limpando bem a marcação e dando um passe excelente para Rodríguez sair na cara de Julian Lund.