COMPARTILHAR
Foto: Reprodução TV Grêmio

O assunto do momento no futebol brasileiro é quem deve assumir o comando técnico do Flamengo. Favoritos não faltam e a torcida Rubro-Negra já tem o seu nome escolhido: Renato Gaúcho.

Leia Mais: D’Alessandro assume: “Sabemos que tem times com elenco e estrutura melhores”
Chivas, pela vantagem mínima, ganha do New York Red Bulls

Campeão de praticamente tudo com o Grêmio nas últimas duas temporadas, o treinador tem larga vantagem em cima dos rivais (Cuca, e Felipão) e no fim do ano passado revelou o desejo de treinar o clube da Gávea no futuro.

Na última quarta-feira, Renato pouco falou sobre a vitória do Tricolor na Libertadores. O tema da coletiva era o interesse do Fla e a possibilidade do ídolo deixar Porto Alegre.

Sem papas na língua, o treinador deixou no ar uma possível transferência e o Futebol Latino aproveitou para listar alguns itens que possa convencer Renato de ficar no Grêmio. Confira:

Idolatria Gremista

É claro que Renato não é ídolo apenas do Grêmio. Suas passagens pelo Flamengo e Fluminense na época de jogador marcaram época, mas digamos que Portaluppi tem um carinho especial pelo lado Tricolor do Rio Grande do Sul.

Maturidade no Cargo

Quando chegou ao clube em 2016, Renato foi muito questionado pela imprensa. Sem “estudar” como seus colegas de profissão, o comandante teve que lidar com a desconfiança e se tornou unanimidade no Sul do país. O Grêmio tem um dos melhores padrões de jogo do Brasil e isso demonstra a evolução como profissional. Além disso, o Tricolor foi o único que teve a coragem de apostar em seu trabalho naquela época.

Elenco na Mão

Conhecido pelo jeito “boleiro”, Renato Gaúcho é querido por todos os jogadores gremista. É claro que alguns sempre têm a vontade de atuar por mais tempo, porém, o carinho do treinador é tão grande, que ninguém reclama em público e briga pelo seu espaço ‘calado’.

Estabilidade

Cheio de moral por conta dos títulos, uma possível demissão de Renato Gaúcho não entra em cogitação no Grêmio. Caso opte pela troca, o treinador terá que encarar um Flamengo “bagunçado”, em ano político e um verdadeiro demolidor de técnico.