A realidade vivida pelo meia Jorge Acuña de 2018, até mesmo pela natural questão da idade, é amplamente diferente do que já foi nos anos 2000 defendendo grandes clubes como Universidad Católica ou mesmo equipes da Europa como Feyenoord (Holanda) ou Rangers (Escócia).

Leia mais: Sampaoli abre o jogo e analisa a Argentina na Copa: “Todo jogo era um sofrimento”
Libertad contrata Leonel Álvarez como novo técnico

Hoje no modesto Deportivo La Higuera, Acuña disputa o Campeonato Santa María que pertence a liga amadora da zona do Valle del Aconcagua e, em entrevista o jornal El Deportivo, revelou algo que nunca teve em seus planos quando decidir por sua aposentadoria: Investir na função de treinador.

“Nunca quis ser técnico. Mas passaram os anos, a aposentadoria se aproximou e o amor que sinto pelo futebol é tão grande que o mais perto que se pode estar dentro de um campo e futebol é sendo técnico.”

Não foi essa a única afirmação surpreendente que o atleta atualmente com 40 anos de idade fez durante a entrevista.

Isso porque, em 2006, Acuña disse que ficou muito próximo de jogar na Lazio (Itália) tendo chamado a atenção do Velho Continente após destacados amistosos que fez com a seleção do Chile frente a Costa do Marfim, Irlanda e Suécia:

“Logo depois desses amistosos assinei um pré-contrato com a Lazio. Estava tudo certo, mas logo depois surgiu o caso de combinação de resultados (Calciopoli). Disseram que a Juventus e a Lazio seriam rebaixadas. Ali eu desisti e, depois, perdoaram a Lazio da punição. Uma pequena c…”