Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no print
Print

Argentina foi contra o retorno da Copa Libertadores em setembro

afa-termina-com-sistema-de-promedio-nas-divisoes-inferiores-Futebol-Latino-21-02
Foto: Divulgação

Na última semana, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) oficializou as datas previstas para o retorno tanto da Copa Libertadores (15 de setembro) como da Copa Sul-Americana no próximo dia 27 de outubro.

Betwinner

Leia mais: Klinsmann diz que Pelé e Beckenbauer são os maiores da história do futebol
Futebol de Portugal pode levar cria da base do Grêmio

Todavia, segundo o diário Olé, a representante do futebol argentino na reunião virtual de definição da retomada (Associação do Futebol Argentino) foi contra a possibilidade por entender que os clubes do país enfrentarão uma desvantagem de preparação no aspecto físico.

Até o momento, os clubes da Argentina sequer estão permitidas de realizarem treinos presenciais mediante as medidas de prevenção sanitária diante da pandemia de Covid-19. Cenário bem diferente do que acontece, por exemplo, no Brasil com treinos presenciais em diversos estados sendo que partidas do Carioca e do Catarinense já aconteceram após a paralisação.

Dentro desse panorama, o veículo esportivo pontuou que existe até mesmo uma certa pressão para que os clubes consigam acelerar a permissão para voltarem aos trabalhos tentando diminuir a diferença para países em estágio mais avançado. O presidente do Lanús, Nicolás Russo, chegou a dar uma declaração falando na projeção de retomar os trabalhos no início do mês de agosto:




“Pra mim, vamos voltar em 5 ou 10 de agosto. O pico que estamos agora vai começar a baixar porque, para isso, se tomaram todas as medidas sanitárias. E, depois, há outra realidade que é a necessidade não só do futebol, mas também de todas as atividades de reiniciarem. Se voltamos em agosto, o faremos depois de cinco meses sem treinar.”

Apesar desse desejo do dirigente, o Olé alega ter conversado com um integrante da AFA que observa a situação com outro prisma:

“Se usarmos o senso comum, nem o governo nem a AFA sugeririam voltar em 5 ou 10 de agosto. O estalido social, do contrário, será iminente.”

Na Liberta, os representantes do país são Boca Juniors, Defensa y Justicia, Racing, River Plate e Tigre enquanto na Sula os integrantes argentinos são Independiente, Lanús, Unión Santa Fe e Vélez Sarsfield.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *