Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Print

Atacante chega ao Barcelona de Guayaquil com “custo zero”, garante presidente

Grande nome do futebol equatoriano em 2018 com 31 gols marcados volta ao país para defender o Barcelona de Guayaquil após 1° semestre no futebol do Egito
Grande nome do futebol equatoriano em 2018 com 31 gols marcados volta ao país para defender o Barcelona de Guayaquil após 1° semestre no futebol do Egito
atacante-chega-ao-barcelona-de-guayaquil-com-custo-zero-garante-presidente-Futebol-Latino-01-10

Um dos nomes que teve os números mais expressivos em 2018 na América do Sul pela Universidad Católica de Quito e que chegou a ser alvo do Santos, o atacante Jhon Cifuente retornou ao futebol da América do Sul para defender o Barcelona de Guayaquil sem que o clube tenha investido qualquer valor de imediato. Pelo menos, é o que garante o presidente da instituição, José Francisco Cevallos.

Leia mais: Zlatan Ibrahimovic dispara contra companheiros após derrota na MLS
Arturo Vidal volta a aparecer na mira de time italiano

Em uma entrevista que deu a Radio Aguila, o mandatário dos Toreros explicou como foi costurado o acordo para que Cifuente defendesse a equipe e descarta qualquer tipo de atitude voltada prioritariamente para o caráter eleitoral já que, no próximo sábado (5), ele estará como candidato a reeleição para prosseguir na presidência do Barce:

“Cremos que ele é um jogador muito importante, um goleador que foi vendido há vários meses em mais de cinco milhões de dólares (R$ 16,7 milhões na época). A oportunidade é que ele pôde ser somado ao plantel a custo zero, o Barcelona não gastará um centavo nesse momento. O salário se pagará unicamente à partir de 2020.”

“Nós ficamos com 50% dos direitos (esportivos) para uma futura venda sem ter feito nenhum investimento. Eu ponderaria isso e não questionaria. O estatuto nos permite potencializar a equipe. Nós não estamos pensando nas eleições, mas sim em reforçar o plantel para 2020, por isso trabalhamos com antecipação. Se deu essa oportunidade e aproveitamos”, disse Cevallos.

Além da questão financeira, outro tema que causou “estranheza” no país foi a declaração do presidente do Macará, Miller Salazar, afirmando que Cifuente tinha assinado um acordo com a equipe de Ambato 15 dias antes de ser anunciado pelo clube guayaquilenho. Algo que teria gerado, inclusive, a necessidade do empresário que gere a carreira do atacante, Diego Herrera, pagar um valor ao Macará pela rescisão do acordo citado.